Skip to content


Conceição Sampaio homenageia movimento Mestiço e Caboclo do Amazonas

295555_376239259144722_722903732_n

Na manhã desta sexta-feira (07), a deputada estadual Conceição Sampaio (PP) realizou sessão especial para homenagear o Mês do Mestiço e do Caboclo, no Plenário Ruy Araújo da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM). O movimento Nação Mestiça, ou Movimento Pardo Mestiço Brasileiro, fundado em 2001, em Manaus, tem lutado pelo reconhecimento da identidade mestiça do país e contra a divisão do Brasil em brancos, negros e indígenas.

“Reconhecemos o mestiço e o caboclo, pois o povo brasileiro é oriundo da miscigenação. E a Assembleia do Amazonas, como a casa do povo, valoriza todos que constituem o povo brasileiro”, enalteceu a deputada Conceição Sampaio. E destacou a importância da participação das escolas, as quais se integraram na programação do Mês do Mestiço e do Caboclo com a produção de redações sobre a terra e o mestiço.

Helda Castro, presidente do Movimento Nação Mestiça, explica que o povo mestiço existe há mais de 500 anos, a partir da formação do povo brasileiro, e que o movimento é uma organização brasileira de mestiços que tem por objetivo defender a identidade e o reconhecimento desse segmento. “Temos os mesmos direitos originários que os indígenas, pois a nação é mestiça há 500 anos, desde quando o Brasil foi descoberto e iniciou a miscigenação entre o branco e o índio e depois com o negro”, defendeu.

Entre as principais reivindicações do movimento consta o direito a terras, a necessidade de avançar com políticas públicas, principalmente em relação às demandas dos mestiços, assim como negros e índios já foram contemplados.

Povo nativo

De acordo com o coordenador do Fórum Nacional do Mestiço, Gerson Leão, o movimento surgiu em 2001, na mesma época em que foi percebido que o Brasil caminhava para criação de uma sociedade artificial, formada apenas por brancos, negros, índios e amarelos, onde não considerava mais o mestiço. E alertou para o perigo da segregação, da divisão racial, a exemplo dos índios que são isolados em reservas, uma mentalidade criada com a partir da Constituição de 1988.

“O mestiço não é um povo que veio da Europa. O mestiço foi gerado pelos indígenas e é um povo nativo”, frisou Gerson Leão, ao destacar que os mestiços e caboclos precisam ter seus direitos resguardados e respeitados.

Participaram do evento membros do movimento Nação Mestiça de Manaus e de Autazes; estudantes e professores da Escola de Tempo Integral Marques de Santa Cruz, Instituto de Educação do Amazonas (IEA); a mesa foi composta pelo coordenador do Fórum Nacional do Mestiço, Gerson Leão; diretor do departamento de Políticas Educacionais da SEDUC, professor Edson Melo; coordenadora da Diversidade da SEMED, Lídia Helena Oliveira; diretor do departamento de Literatura da SEC, Antonio Auzier Ramos; representante da secretaria estadual de Segurança pública, Keila Pinheiro; comandante da 23ª CICOM do Comando da Polícia Militar do Amazonas, Major Nilo Correia; e a coordenadora distrital de Educação da SEDUC, Angélica do Santos.

Do site Conceição Sampaio, em 07/06/2013.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Português.

Tagged with .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam