Skip to content


Líder branca afirma que guerra com indígenas está sendo insuflada

Senadora branca segue linguajar indigenista e trirracialismo petista

A senadora branca Kátia Abreu (PSD-TO) afirmou terça-feira (21) que está havendo uma guerra artficial entre brasileiros brancos e brasileiros indígenas “insuflada por determinados organismos”.

Sem fazer referência à população mestiça, que constitui a maioria dos expulsos nas criações de terras exclusivas para indígenas pelo governo federal, a senadora, adotando o linguajar indigenista e petista, lamentou o desamparo dos brancos por órgãos públicos, “Nós estamos vivendo um conflito artificial, em que não temos a proteção da Justiça. O Ministério da Justiça, pelo visto, só faz justiça aos brasileiros índios. Quem fará justiça aos brasileiros brancos que também trabalham por este País?! A Funai protege os índios, o Cimi protege os índios, o Ministério Público protege os índios. Quem é que vai proteger os produtores rurais?”

Reduzindo o problema da implantação de apartheid racial e étnico no Brasil a uma simples questão monetária, a senadora propôs, “Se o Governo Federal quiser dar terra para os índios, não há nenhum problema: compre as terras, desaproprie terras dos produtores, de quem quer que seja; pode dar o Brasil inteiro. Mas compre; desaproprie e pague; indenize quem é o dono da terra”.

A senadora criticou a atuação do Ministério da Justiça no caso Suiá Missu, “Eu queria que o Sr. Ministro Eduardo Cardozo, da Justiça, tivesse o mesmo senso de justiça que teve com as quatro mil famílias da Fazenda Suiá Missu. Mas eram brancos!”

Para a senadora branca, “A única coisa que iguala todos – brancos, negros, índios; pobres e ricos – é a legislação.”

Nós estamos vivendo um conflito artificial, em
que não temos a proteção da Justiça. O Ministério
da Justiça, pelo visto, só faz justiça aos brasileiros
índios. Quem fará justiça aos brasileiros brancos que
também trabalham por este País?! A Funai protege
os índios, o Cimi protege os índios, o Ministério Público
protege os índios. Quem é que vai proteger os
produtores rurais?”

Posted in Apartheid no Brasil, Mestiçofobia | Desmestiçagem, Multiculturalismo, Português, Verwoerdismo | Indigenismo.

Tagged with , , , .


10 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Leão says

    Gabriel, se o critério for exclusivamente biológico, ou racial, então eu deduzo que você seja contra terras exclusivas para indígenas e cotas raciais.

    Se todos somos mestiços, o cacique Raoni é mestiço, o senador Paim é mestiço, a Gisele Bündchen é mestiça, ótimo: então para que Estatuto do Índio, Estatuto da Igualdade Racial, Funai, Seppir, não é?

    Se todos somos mestiços, ótimo: uma razão a mais para acabar com tudo o que separe mestiços de mestiços.

    Quando alguém disser que é índio, negro ou branco, pelo teu raciocínio, então deverá ser denunciado como mentiroso.

    Nós preferimos respeitar o modo como as pessoas se identificam: se o mulato Paim prefere se identificar como negro, direito dele – não sei se na África ele será visto como preto. Se a senadora Kátia Abreu, seja ela branca ou não, se identifica como branca, direito dela – não sei se na Europa ela será vista como branca. Só posso dizer que eles não são etnicamente mestiços brasileiros, pois não se identificam como tais.

    Mas isto não é problema meu. Eu sou mestiço brasileiro e só nos cabe aos mestiços brasileiros dizer quem é de nossa etnia e quem não é.

  2. Gabriel says

    Leão, você é branco?

    Para mim não podemos dizer que ela é branca simplesmente por ela parecer branca. Ser aceito como branco pelos brancos não faz uma pessoa ser de fato branca. Ela pode ser miscigenada mas não se auto-declarar mestiça. E ser filho de imigrantes não é nenhuma garantia de que não haja mais de uma origem racial na família ou imigrantes também não se miscigenaram?

    É mais seguro dizer que no Brasil todo mundo é mestiço até que se prove o contrário.

    Os mestiços são, segundo vocês mesmos, o maior contingente da população mundial então não devemos nos espantar com mestiços que não tenham cor de pele parda.

  3. Leão says

    Gabriel, você é branco?

    Para mim ela é branca, mas a minha opinião só serve para mim: se ela vai ser aceita como branca pelos brancos é uma questão dos brancos – não sou eu que vou decidir pelos brancos (não sou petista, não faço como o governo petista que se arvorou no direito de impor aos pardos a identidade negra).

    Quanto a quem é mestiço, cabe a nós mestiços brasileiros decidirmos quem pertence à nossa etnia ou não. Há material sobre isto neste site, se for do seu interesse pesquisar.

  4. Gabriel says

    Então se um mestiço não for de cor parda, mas de cor preta, branca ou amarela, ele não é mestiço? Não dá pra classificá-la como branca simplesmente por não ter a cor de pele parda. Mestiço pode ter qualquer aparência, inclusive aparentar não ser miscigenado.

  5. Oiticica says

    OS BRANCOS DA COLÔNIA SE MISTURARAM COM ÍNDIOS. ELA DEVE SER FILHA DE IMIGRANBTE.

  6. Marco says

    Quando os brancos europeus invadiram o Brasil eles indenizaram os índios donos da terra ?

  7. Leão says

    Os brancos brasileiros vêem a senadora como branca? Para mim, que sou mestiço de cor parda, ela é branca.

  8. Gabriel says

    Então o que importa e a auto-declaração associada a fenotípica?

  9. Paulo says

    Se ela é ou não branca “de verdade” não importa. Importa que ela se identifica como branca. Se o senador Paim, que é mulato mas não se assume, pode se identificar como negro, a senadora Kátia Abreu pode se identificar como branca.

  10. Gabriel says

    Não creio que esta senadora seja de fato branca.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam