Skip to content


Presidente da Funai ignora novo convite da Câmara

A presidente da Funai, Marta Azevedo, novamente ignorou um convite da Câmara dos Deputados para debater a polêmica envolvendo a demarcação de terras indígenas e quilombolas. Dessa vez, a ausência aconteceu na audiência pública da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA), realizada na terça-feira (7).

Na avaliação do presidente da CINDRA, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), a falta da número 1 da Funai só reforça os rumores de demissão da cúpula da fundação. A expectativa é que a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, confirme mudanças no órgão nesta quarta-feira (8), quando ela participa de audiência pública na Câmara para explicar a política do governo sobre as demarcações.

No lugar de Marta Azevedo, a Funai enviou a diretora de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável do órgão, Maria Augusta Assirati, que se limitou a responder apenas às perguntas referentes ao bloqueio da BR-174, item que também constava na pauta de discussões. A rodovia federal liga os estados do Amazonas e Roraima e é diariamente fechada no trecho que incide sobre a reserva indígena Waimiri-Atroari. Uma corrente é colocada às 18 horas, impedindo o trânsito de pessoas e cargas. A estrada só volta a funcionar na manhã do dia seguinte.

Autor do requerimento que solicitou a realização do debate, o deputado Raul Lima (PSD-RR) afirma que o bloqueio da estrada é promovido por uma organização não governamental. “Uma Ong, que recebe milhões de reais por mês, usurpa o poder de polícia na minha região. Isso é um crime flagrante. A Funai perdeu o controle sobre os indígenas e as Ongs estão mandando no país”, denunciou Lima. Chefe do Estado-Maior do Comando Militar da Amazônia (CMA), o general José Luiz Jaborandy Júnior defendeu uma saída negociada para o impasse. “Tem que verificar profundamente o respaldo legal para o fechamento da rodovia. Eu acredito na possibilidade de se chegar a uma solução por via do Poder Judiciário, de uma força moderada do Estado, e preservar os direitos da comunidade indígena”, ponderou o militar.

Já o presidente da CINDRA, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), lembrou que a diretora da Funai confirmou a influência das Ongs sobre o órgão ao explicar o caso da BR-174. “Isso quer dizer que organismos não governamentais mandam num órgão público. Isso justifica, por si só, o pedido de realização de uma CPI para investigar essas demarcações”, ressaltou o parlamentar. O requerimento da comissão parlamentar de inquérito já conta com cerca de 200 assinaturas, mais do que as 171 necessárias para sua instalação.

De Planeta FM, 08/05/2013.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Português.

Tagged with .


One Response

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

Continuing the Discussion



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam