Skip to content


Nicarágua: Líder mestiço afirma, “Aqui matam mestiços e torturam”

Líder da manifestação de mestiços nicaraguenses afirmou, “Aqui matam os mestiços, os torturam e ninguém diz nada; e, então, andam livres, eles ficam impunes, mas o povo já está cansado”.

Os manifestantes mestiços instalaram na segunda-feira um bloqueio em Susún, na estrada Rosita-Puerto Cabezas, na Região Autônoma do Atlântico Norte (RAAN). Eles liberaram a via à noite, na expectativa de que uma comissão do governo nicaraguense viria para negociar.

Os manifestantes mestiços avisaram ao Procurador Geral da República, a quem acusan de haver mentido a eles em outras ocasiões, que não jogue com eles, porque estão cansados de tanto assédio pelos indígenas.

“Aquí matan a los mestizos, los torturan y nadie dice nada; ahí andan libres, ellos son impunes, pero ya la gente está cansada”, advertiu Bonifácio Duarte Padilla, líder da manifestação.

Demandas dos mestiços

O líder dos manifestantes reafirmou que pedem a abolição do Decreto Presidencial, pelo direito de cuidar da Madre Terra, e a legalização de suas propriedades, mediante uma nova reforma agrária. Caso não se consiga acordo, não haverá mais mediação e e via continuará fechada.

Reiteraram que têm títulos de propriedade entregues por autoridades comunais de cada setor indígena, e até de funcionários do governo, do próprio Brooklyn Rivera, que agora promove a desocupação, acusaram.

“Estamos aqui porque estamos cansados. Há milhares de famílias afetadas; temos documentos em mãos e podemos demonstrar”, afirmou.

Preferem ser mortos a saírem

Pediram à Polícia Nacional e ao Exército que não os provoquem, porque há milhares deles em setores como Sahsa, onde afirmam ter prontas umas 7.000 pessoas para reforçar o bloqueio.

Afirma que a economia do país será a principal afetada, porque é o setor que produz os grãos básicos, de modo que podem desabastecer o mercado de feijão, arroz e verduras.

“Queremos deixar claro que no sábado nossos dois pontos na mesa de diálogo são a anulação do decreto e a titulação das terras. Não haverá despejo, preferimos que nos matem e nos enterrem aí mesmo, mas não sairemos jamais”, disse ele, enquanto os manifestantes repetiam palavras de ordem.

Polícia

Permanerá em Susún a espera de uma comissão negociadora do Governo. Para tanto, o chefe da Polícia da zona há se comprometido em facilitar o encontro.

Com informações de El Nuevo Diario.

Posted in Mestiçofobia | Desmestiçagem, Multiculturalismo, Português, Verwoerdismo | Indigenismo.

Tagged with , , , , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam