Skip to content


O mestiço é um nativo inconveniente para o apartheid petista – Leão Alves

Ainda tratando sobre o artigo petista “EUA imitam Brasil ao retirar classificação negro/negra do censo”, este afirma que “… no Brasil, as expressões negro/negra ou negão/negona são rejeitadas pelo ‘Movimento Pardo Mestiço Brasileiro’ e por independentistas intelectuais afrodescendentes (pretos, negros, pardos) e de todas as cores que não põem em prática o ensinamento do maior herói negro mundial o mártir da consciência antirracista o sindicalista e líder socialista sul-africano Stephen-Steve Bantu Biko (1946-1977): ‘Racismo e capitalismo são os dois lados de uma única e mesma moeda’”.

Aqui cabe lembrar o que o governo petista faz questão de fazer o povo esquecer: antes de haver pretos no Brasil, este país já era habitado por mestiços. Vamos resumir: primeiro havia os nossos antepassados indígenas originais; depois chegaram os nossos antepassados brancos portugueses; depois estes se misturaram, dando origem a uma nova etnia, a mestiça, formada por cabocos ou mamelucos, grande parte dela de cor parda; só depois, quando já havia muitos mestiços andando pela Bahia e outras regiões do que hoje é o Brasil, chegaram nossos ancestrais pretos da África, que se misturaram com indígenas, brancos e mestiços aumentando a população de nossa etnia.

O que o texto quer dizer com “… no Brasil, as expressões negro/negra ou negão/negona são rejeitadas pelo ‘Movimento Pardo Mestiço Brasileiro’“? Nós mestiços não nos identificamos como negros, goste ou não o Partido dos Trabalhadores (PT), por um motivo bem simples: nós não somos negros. Se alguém identifica-se como negro/negra é direito seu. Ninguém porém tem o direito de impor a sua opção aos outros.

Quanto a Stephen-Steve Bantu Biko, ele também não se identificava como Negro, mas como Black (preto). A propósito, a expressão criada por ele, Black Consciousness, tem sido equivocadamente traduzido para ‘Consciência Negra’ e não para ‘Consciência Preta’.

A referência a Steve Biko merece um observação prévia para se avaliar se suas ideias marxista têm sido seguidas no Brasil por grupos que ostentam o seu nome. Steve Biko era um nativo africano enfrentando o racismo de pessoas que defendiam privilégios e a superioridade do europeu colonizador ou imigrante e de seus descendentes brancos em relação aos nativos Blacks Coloureds (mestiços) e populações não-brancas não-nativas, como os indianos.

No Brasil, os correspondentes aos nativos da África do Sul não são os que se identificam como negros, mas os indígenas originais e os mestiços.

A política racial do Partido dos Trabalhadores no Brasil não corresponde à defendida por Steve Biko na África do Sul; pelo contrário. Nossos ancestrais pretos (africanos ou aqui nascidos) eram nativos na África, mas não eram nativos na América.

O petismo tem promovido a marginalização dos nativos mestiços e a redução dos nativos indígenas a territórios exclusivos, copiando o que o ex-primeiro-ministro Hendrik Verwoerd, o arquiteto do apartheid, defendia para os nativos da África do Sul.

No Brasil, lutar contra o colonialismo e o imperialismo, seja ele europeu ou africano, é lutar em defesa dos nativos e a maior etnia nativa do país é o mestiço brasileiro, descendente dos milhares de povos indígenas originais que habitam ou já habitaram o país.

O lema de Steve Biko era “One Nation, One Azania”, ou seja, “Uma Nação, Uma África do Sul” – algo contraditório, haja vista que o comunismo é contra nacionalidade. Esta contradição servia, porém, à luta de Biko contra os bantustões, criticando os líderes pretos que apoiavam esta política de segregação racial do governo de supremacia branca. O governo petista tem defendido isto ou tem promovido a divisão territorial do povo com o apoio de ricas ONGs internacionais de “homens brancos” da Europa e EUA?

Contra o racismo não basta ser conservador

Dentre os costumes de nossos ancestrais indígenas, destacamos o cunhadismo, a ideia de promover casamentos com os estrangeiros, como os colonizadores portugueses; e destes, destacamos os valores antirracistas do Cristianismo. Conservar valores é fundamental para a preservação da liberdade do povo, especialmente neste início de séc. XXI que se parece tanto com o início do séc. XX, em que o racismo e a eugenia e outras ‘coisificações’ do ser humano vêm ganhando apoio nos meios acadêmicos, em instituições públicas e na grande mídia, apresentados, agora, em novas embalagens, como multiculturalismo.

Como a etnia mestiça é indissociável da Nação, isso incomoda ideologias que colocam outros interesses acima dos interesses nacionais, que são contrários à Nação, ou que simplesmente são hostis à miscigenação e à mestiçagem.

Contra o racismo, a eugenia, o multiculturalismo, o elitismo, o entreguismo, o totalitarismo, o escravismo em nova roupagem, não basta a nós mestiços brasileiros sermos conservadores, precisamos reagir e defender nossa brasileiríssima identidade, nossa história e nossos valores diante dos que orgulhosamente progridem em direção ao abismo.

Leão Alves é secretário geral do Nação Mestiça.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Apartheid no Brasil, Artigos, Leão Alves, Multiculturalismo, Português, Verwoerdismo | Indigenismo.

Tagged with , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam