Skip to content


Vistoria do Incra causa polêmica no RS

Para evitar uma vistoria do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), 50 ruralistas da região de Palmas, em Bagé, revezam-se em uma barreira em estrada vicinal. Eles temem que o órgão agrário desaproprie terras após um levantamento fundiário, que busca demarcar área de uma comunidade quilombola. Ontem, o Incra convidou os ruralistas – comunicados do estudo por meio de uma notificação – para uma reunião em Porto Alegre com a intenção de esclarecer o levantamento.

O instituto admite a chance de desapropriações, mas as extensões só poderão ser definidas após o estudo, que integrará um relatório técnico de identificação e delimitação do território da comunidade quilombola de Palmas. Uma avaliação antropológica sobre a origem do quilombo, feita por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), também faz parte do documento.

Representante dos ruralistas, Favorino Collares diz que os agricultores estudam o encontro com o Incra, mas vê obstáculos em deixar as propriedades.

– É provável que a gente sugira que os técnicos venham até Bagé e a reunião seja aqui. Acreditamos que não seja certo delimitar áreas e separar as pessoas conforme sua cor. Vamos fazer de tudo para impedir a entrada deles nas propriedades notificadas – diz o ruralista.

Até que o impasse chegue ao fim, os ruralistas seguem com acampamento na estrada vicinal que dá acesso à localidade, com vigília 24 horas. O Incra mantém em sigilo a data exata em que fará a vistoria.

De Zero Hora.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam