Skip to content


Uso de ‘negro’ para descrever os pretos americanos é abandonado nas pesquisas do censo dos EUA

Depois de mais de um século, o U.S. Census Bureau está abandonando o uso da palavra “negro” para descrever os pretos americanos em pesquisas.

Em vez do termo que entrou em uso durante a época da segregação racial, os formulários do censo vão usar os termos mais modernos “preto” ou “africano-americano”.

A mudança entrará em vigor no próximo ano, quando o Census Bureau distribui sua Pesquisa da Comunidade Americana anual para mais de 3,5 milhões de lares dos EUA, afirmou em uma entrevista Nicholas Jones, chefe da filial de estatísticas raciais da agência.

Ele fez referência a meses de comentários públicos e pesquisa censitária que concluíram que poucos pretos americanos ainda se identificam como negro e  muitos vêem o termo como “ofensivo e ultrapassado”.

“Isto é um reflexo da mudança dos tempos, mudando dos vocabulários e mudança do entendimento do que significa raça neste país”, disse Matthew Snipp, professor de sociologia na Universidade de Stanford, que escreve freqüentemente sobre raça e etnia. “Para os mais jovens africano-americanos, o termo ‘negro’ remonta à época em que africano-americanos eram cidadãos de segunda classe neste país”.

Usado pela primeira vez no censo, em 1900, “negro” se tornou a forma mais comum de se referir a pretos americanos durante a maior parte do início do século XX, durante uma época de desigualdade racial e segregação. “Negro” em si havia tomado o lugar de “de cor”. Começando com o movimento dos direitos civis dos anos 1960, os militantes pretos começaram a rejeitar o rótulo “negro” e passaram a identificarem-se como preto ou africano-americano.

Para o censo de 2010, o governo chegou a considerar abandonar a palavra “negro”, mas por fim decidiu de forma contrária, considerando que um pequeno segmento, em sua maioria pretos idosos que vivem no Sul, ainda se identificavam com o termo. Mas quando os formulários do censo foram enviados e alguns grupos pretos protestaram, Robert Groves, diretor do Census Bureau, à época, desculpou-se e antecipou que o termo seria abandonado em censos futuros.

Quando perguntado para assinalar sua raça, os americanos atualmente têm opção de cinco categorias definidas pelo governo em pesquisas de recenseamento, incluindo um espaço para marcar que é descrito como “preto, africano americano ou negro”. Começando com os levantamentos do próximo ano, esta opção irá simplesmente dizer “preto” ou “africano americano”.

No censo de 2000, cerca de 50.000 pessoas especificamente escreveu a palavra “negro” quando perguntado como gostaria de ser identificado. Em 2010, dados censitários inéditos fornecidos à AP mostram que esse número caiu para cerca de 36.000.

De The Globe and Mail, 25/02/2013.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Português.

Tagged with , .


One Response

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

Continuing the Discussion

  1. http://www.advivo.com.br/luisnassif | " F I N I T U D E " linked to this post on 27/02/2013

    […] EUA abandonam o uso da classificação racial de ‘negro’ para descrever os pretos americanos no censo […]



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam