Skip to content


Como a política indigenista desintegra a Pátria brasileira – Manoel Soriano Neto

Orlando Villas Boas, o saudoso e maior sertanista brasileiro depois do Marechal Rondon, foi um acendrado patriota, por duas vezes indicado para o Prêmio Nobel da Paz. No ano de 2002, antes de sua morte, ele nos legou uma mui preocupante profecia, quando de uma entrevista a uma emissora de televisão, cuja íntegra vem circulando na internet, de maneira recorrente. Dizia aquele notável patrício, que as maiores jazidas de urânio do País, a par de outros minerais estratégicos, se encontram em Roraima, na Reserva Ianomâmi.

Assinalou que há lideranças ianomâmis em nações hegemônicas, sendo preparadas para a criação de “um País independente” na descomunal reserva, absurdamente demarcada em área contínua, em faixa de fronteira (!) e contígua à outra, também gigantesca, existente na Venezuela.

Orlando Villas Boas não viveu o suficiente para testificar a sua profecia que começou a se concretizar, após a deletéria criação de mais uma colossal reserva, igualmente em faixa de fronteira, no novel e pobre estado de Roraima – a Reserva Raposa Serra do Sol -, cujo julgamento pelo STF, acerca de sua demarcação em área contínua, nos foi assaz pernicioso e vem causando enorme inquietação aos brasileiros deveras patriotas, eis que, indubitavelmente, restou vulnerada a Soberania Nacional.

Sim, pois o desejo de criação de “nações indígenas” já era um fato concebido e recentemente denunciado em relatório da ABIN, como nos deram conta renomados jornalistas, porém escamoteado de toda a nação, pelo Governo (que não desmentiu as denúncias!!!), sendo certo que até bandeira própria já foi exibida na dita reserva, pelos índios manipulados de dentro e de fora do Brasil. Assim, estão lançadas as sementes do separatismo em nossa Amazônia, máxime após o Brasil ter assinado, em 2007, na ONU, a entreguista e vexatória Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas.

Diga-se mais que a soberania do estado de Roraima (como a de outros que possuem “Terras Indígenas”) é praticamente nula nas precitadas terras, em face do Decreto Presidencial n° 4412/2003 que nelas autoriza a presença das Forças Armadas e da Polícia Federal, com o respectivo “poder de polícia” que lhes é inerente, mas não das Polícias estaduais (Civil e Militar), como se áreas indígenas fossem enclaves em territórios de Unidades da Federação, cerceando-se, de forma abusiva, um constitucional e legítimo poder/dever – o múnus do exercício da segurança pública -, de entes federativos da União.

Os termos do Decreto vêm sendo iterativamente verberados pelo Secretário de Segurança Pública de Roraima, General Eliezer Monteiro, e necessitam ser urgentemente corrigidos. Destarte, conclamações cívicas contra o fracionamento e a cobiça internacional sobre a região amazônica, que vêm sendo apregoadas por entidades e grupos patrióticos como a Liga da Defesa Nacional (os seus últimos motes foram: “A Amazônia é Nossa!”; “Amazônia: Ocupação, Defesa e Guarda!” e “Amazônia: Patrimônio do Povo Brasileiro!”) devem se multiplicar, SIM, com desassombro e o mais amplamente possível, por este País afora!

Pretendemos, a partir deste trabalho, escrever uma série de artigos que versarão sobre a problemática indígena brasileira. Registre-se, preliminarmente, que a Assembleia-Geral das Nações Unidas, por força da Resolução n° 49/214, de 23 de dezembro de 1994, instituiu o “Dia Internacional das Populações Indígenas”, a ser celebrado no dia 9 de agosto de cada ano, em homenagem aos mais de 370 milhões de índios, espalhado por quase 70 países. Diz a Resolução que “a data é um marco no reconhecimento da luta indígena contra a discriminação e a violação dos direitos humanos”. A partir daí, houve um progressivo e agressivo exacerbamento mundial da chamada “causa ou questão indígena”, um dos “movimentos sociais” de maior vulto e perigo em nosso amado Brasil.

Manoel Soriano Neto, Historiador militar, é Coronel de Infantaria e Estado-Maior. Comandou o 16º Batalhão de Infantaria Motorizado-Batalhão Ytapyrú – e chefiou a Seção de História Militar e Geografia da AMAN.

De Alerta Total, 29/01/2012.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Multiculturalismo, Português, Verwoerdismo | Indigenismo.

Tagged with , , , , , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam