Skip to content


Empresas sul-africanas podem ser penalizadas por doar em benefício dos que não sejam negros

Joanesburgo, 02 Nov (Inforpress) – Empresas sul-africanas que doarem no futuro para organizações de beneficência que não ajudem apenas negros podem ser penalizadas por lei.
Segundo artigos hoje publicados em diversos jornais sul-africanos, o novo código de “indigenização” da economia (conhecido por Black Economic Empowerment, com a sigla BEE), que foi apresentado ao parlamento com algumas emendas em relação ao que estava em vigor, prevê que as empresas que façam donativos para causas ou instituições cujos beneficiários não sejam 100 por cento de raça negra podem perder pontos na “classificação BEE” que lhes é atribuída.
Esta classificação é determinante para que uma empresa seja considerada “cumpridora da lei” e possa, designadamente, concorrer ao fornecimento de produtos e serviços a instituições do Estado.
Uma responsável da agência Bridget Brun, especializada na legislação relativa ao BEE, disse ao diário “The Star” que as novas regras, se forem promulgadas, pode ter efeitos perversos para as empresas e para a sociedade em geral.
“Esta emenda terá um profundo e perverso efeito. Ela implica que uma empresa possa perder pontos na sua classificação BEE se doar para uma causa que beneficie indianos, brancos, mestiços ou até mesmo uma criança moçambicana ou zimbabueana. Vamos passar a ter uma sociedade segregada”, disse aquela responsável.
A presidente da associação humanitária Childline, Joan van Niekerk, considerou em declarações ao mesmo jornal que “as leis BEE começam a ser ridículas”.
“Nós não sabemos a raça das crianças que nos telefonam. Não é apropriado perguntar às pessoas que precisam da nossa ajuda ‘você é negro e quão negro é você?’ Isto é um novo tipo de apartheid”, referiu van Niekerk.
Inforpress/Lusa

Joanesburgo, 02 Nov (Inforpress) – Empresas sul-africanas que doarem no futuro para organizações de beneficência que não ajudem apenas negros podem ser penalizadas por lei.

Segundo artigos hoje publicados em diversos jornais sul-africanos, o novo código de “indigenização” da economia (conhecido por Black Economic Empowerment, com a sigla BEE), que foi apresentado ao parlamento com algumas emendas em relação ao que estava em vigor, prevê que as empresas que façam donativos para causas ou instituições cujos beneficiários não sejam 100 por cento de raça negra podem perder pontos na “classificação BEE” que lhes é atribuída.

Esta classificação é determinante para que uma empresa seja considerada “cumpridora da lei” e possa, designadamente, concorrer ao fornecimento de produtos e serviços a instituições do Estado.

Uma responsável da agência Bridget Brun, especializada na legislação relativa ao BEE, disse ao diário “The Star” que as novas regras, se forem promulgadas, pode ter efeitos perversos para as empresas e para a sociedade em geral.

“Esta emenda terá um profundo e perverso efeito. Ela implica que uma empresa possa perder pontos na sua classificação BEE se doar para uma causa que beneficie indianos, brancos, mestiços ou até mesmo uma criança moçambicana ou zimbabueana. Vamos passar a ter uma sociedade segregada”, disse aquela responsável.

A presidente da associação humanitária Childline, Joan van Niekerk, considerou em declarações ao mesmo jornal que “as leis BEE começam a ser ridículas”.

“Nós não sabemos a raça das crianças que nos telefonam. Não é apropriado perguntar às pessoas que precisam da nossa ajuda ‘você é negro e quão negro é você?’ Isto é um novo tipo de apartheid”, referiu van Niekerk.

De Inforpress/Lusa, 02/11/2012.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. Divulgue este site.

Posted in Mestiçofobia | Desmestiçagem, Multiculturalismo, Português, Verwoerdismo | Indigenismo.

Tagged with , , .


One Response

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Connd says

    E o que virá depois?



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam