Skip to content


Dia Municipal de Caramuru e Dia do Rio Vermelho

Quem mora no Rio Vermelho tem orgulho do seu bairro, não só pelo presente onde borbulha a vida cultural e boêmia, mas do passado, quando aconteceram fatos importante para a história do Brasil. Um dos mais marcantes foi a chegada à praias da Mariquita de Diogo Álvares Corrêa, o “Caramuru”, nome que ele recebeu dos tupinambás. E neste ano a comunidade do bairro mais charmoso da cidade se uniu para realizar missa, às 07h, na Igreja de Senhora Sant’Ana (ao lado da Casa de Yemanjá) e uma palestra no Espaço Caramuru da Biblioteca Juracy Magalhães Júnior, às 09h, proferida por Ubaldo Marques Porto Filho, historiador do Rio Vermelho e autor do livro “Diogo Álvares, o Caramuru”.
Quem era Caramuru – Caramuru, nome do batismo tupi de Diogo Álvares Corrêa, foi um dos personagens mais marcantes da história brasileira do século XVI, especialmente da baiana.  O célebre náufrago é o descobridor do Rio Vermelho (1509), co-fundador da cidade do Salvador (1549), e Patriarca da Bahia e do Brasil. Caramuru foi o iniciador das primeiras famílias baianas e brasileiras, bem como da miscigenação racial. Todos os seus filhos foram com nativas, índias tupinambás.
Com a índia Paraguassú, nascida em 1512, na Ilha de Itaparica ou na região da foz do Paraguaçu, casou-se na França, depois que ela foi batizada em Saint-Malo, no dia 30 de julho de 1528, e recebeu o nome de Katherine du Brezil. Para os portugueses ficou sendo Catharina Paraguassú. Caramuru faleceu com a idade presumida de 67 anos, em Salvador, no dia cinco de outubro de 1557. Desde 1988, o dia da sua morte é o Dia do Rio Vermelho, e a partir de 2010 passou a ser comemorado como o Dia Municipal de Caramuru.
O Dia Municipal de Caramuru, em cinco de outubro, foi instituído pela Lei 7.774, sancionada em 15 de dezembro de 2009, pelo prefeito João Henrique Carneiro, depois que o Projeto de Lei 16/09, de autoria do vereador Pedro Godinho, foi aprovado pela Câmara Municipal de Salvador.

Quem mora no Rio Vermelho tem orgulho do seu bairro, não só pelo presente onde borbulha a vida cultural e boêmia, mas do passado, quando aconteceram fatos importante para a história do Brasil. Um dos mais marcantes foi a chegada à praias da Mariquita de Diogo Álvares Corrêa, o “Caramuru”, nome que ele recebeu dos tupinambás. E neste ano a comunidade do bairro mais charmoso da cidade se uniu para realizar missa, às 07h, na Igreja de Senhora Sant’Ana (ao lado da Casa de Yemanjá) e uma palestra no Espaço Caramuru da Biblioteca Juracy Magalhães Júnior, às 09h, proferida por Ubaldo Marques Porto Filho, historiador do Rio Vermelho e autor do livro “Diogo Álvares, o Caramuru”.

Quem era Caramuru – Caramuru, nome do batismo tupi de Diogo Álvares Corrêa, foi um dos personagens mais marcantes da história brasileira do século XVI, especialmente da baiana.  O célebre náufrago é o descobridor do Rio Vermelho (1509), co-fundador da cidade do Salvador (1549), e Patriarca da Bahia e do Brasil. Caramuru foi o iniciador das primeiras famílias baianas e brasileiras, bem como da miscigenação racial. Todos os seus filhos foram com nativas, índias tupinambás.

Com a índia Paraguassú, nascida em 1512, na Ilha de Itaparica ou na região da foz do Paraguaçu, casou-se na França, depois que ela foi batizada em Saint-Malo, no dia 30 de julho de 1528, e recebeu o nome de Katherine du Brezil. Para os portugueses ficou sendo Catharina Paraguassú. Caramuru faleceu com a idade presumida de 67 anos, em Salvador, no dia cinco de outubro de 1557. Desde 1988, o dia da sua morte é o Dia do Rio Vermelho, e a partir de 2010 passou a ser comemorado como o Dia Municipal de Caramuru.

O Dia Municipal de Caramuru, em cinco de outubro, foi instituído pela Lei 7.774, sancionada em 15 de dezembro de 2009, pelo prefeito João Henrique Carneiro, depois que o Projeto de Lei 16/09, de autoria do vereador Pedro Godinho, foi aprovado pela Câmara Municipal de Salvador.

De Bahia Social, 03/10/2012.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. Divulgue este site.

Posted in Português.

Tagged with , , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam