Skip to content


Presidente indígena exclui mestiços bolivianos do censo

O governo do Estado Plurinacional da Bolívia, liderado pelo presidente indígena Evo Morales, do partido marxista Movimento ao Socialismo (MAS), decidiu excluir a opção ‘mestiço’ do censo do país. Segundo o informativo ANF, os senadores do partido Convergência Nacional (CN) concordaram que a exclusão da categoria ‘mestiço’ do Censo Nacional da População e Habitação, cuja realização está prevista para 21 de novembro, é uma manobra “enganosa” e “discriminatória” que causará conflitos na identificação da população boliviana.

Sobre o assunto, o senador Germain Antelo (CN) disse que todos os bolivianos devem estar orgulhosos do seu sangue, que é uma mistura de nativo com o de quem chegou de outras partes do mundo, levando a uma mistura que não deve ser rejeitada. “Com base em pesquisas que foram feitas, a maioria dos bolivianos, 60 por cento como conceituamos mestiços”, assinalou. Antelo acrescentou que o governo comete outros erros, tais como confundir idiomas com raças e citou como exemplo o idioma bésido e o chiquitano no censo é classificado como duas coisas diferentes.

Por sua parte, a senadora do departamento de Beni, Jeanine Añez, disse que a implementação do Censo Nacional é essencial uma vez que irá especificar a redistribuição de assentos parlamentares e redistribuição dos recursos da partilha de receitas provenientes da coparticipação tributária. “Você vai ver uma reação pública negativa, pretende-se enganar os bolivianos a ignorar esta classificação com a qual nos identificamos em maioria (mestiço)… Espero que a determinação seja mudada e não mintamos a nós mesmos. O censo se faz necessário, mas um censo que seja real “, disse ele Añez.

Numa conferência de imprensa, a ministra boliviana do Planejamento do Desenvolvimento, Viviana Caro, afirmou que “a palavra ‘mestiço’ incorpora uma definição biológica, de raça”, declaração que foi alvo de crítica de autoridades, políticos da oposição e particulares locais. A política mestiçofóbica do governo boliviano foi criticada também fora do país. Segundo o secretário geral do Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro, Leão Alves, mestiço não é raça, é uma etnia nativa tanto quanto as etnias indígenas. “O censo excluiu mestiço, mas incluiu afro-boliviano, que é um termo tão racial quanto negro, caucasiano (branco) ou indígena. O primeiro objetivo do racismo é evitar a mestiçagem e ele pode recorrer a diversos subterfúgios para isto. Está havendo em diversos países da América Latina a promoção da eliminação de suas etnias mestiças nacionais por governos marxistas e por ricas ONGs multiculturalistas, provenientes principalmente da Europa e dos EUA. Basta verificar quem patrocina e apóia estes governos e movimentos mestiçofóbicos. Apagar oficialmente o mestiço visa não reconhecer o direito originário da etnia mestiça à terra, à sua cultura e a outros. O seu objetivo é promover a criação de grandes blocos políticos, como a Unasul, e para isso eles precisam enfraquecer a identidade nacional dos povos a fim de enfraquecer a soberania dos Estados nacionais e a cidadania. Mestiçagem unifica e eles desejam dividir, por isso discriminam mestiços. Nós mestiços temos que não votar em quem nos discrimina”, concluiu.

Quem paga

Segundo o site El Sol de Santa Cruz, o censo boliviano tem financiamento de US $ 55 milhões, dos quais 50 vêm do Banco Mundial e cinco nos cofres do Tesouro da Nação (TGN).

Posted in Mestiçofobia | Desmestiçagem, Multiculturalismo, Português.

Tagged with , , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam