Skip to content


Para jornal francês, Brasil é nova terra de imigração para portugueses

Com o título “Aqui vivemos e lá nós sobrevivemos” o jornal francês Le Monde publica em sua edição desta terça-feira uma matéria sobre a imigração portuguesa no Brasil. O artigo de página inteira é o primeiro de uma série de seis textos sobre as vítimas da crise do Euro que deixam a Europa.
Segundo o vespertino Le Monde, para escapar da estagnação econômica e das altas taxas de desemprego que assolam a União Europeia em plena crise financeira, em 2011, 50 mil portugueses foram se instalar no Brasil. Já o número de espanhóis dobrou nos últimos dois anos.
Aos 47 anos, o arquiteto português Pedro Louro decidiu se mudar para o Brasil, país em que nunca havia posto os pés. No ano passado, aconselhado por um amigo luso-brasileiro instalado em Niterói, no estado do Rio de Janeiro, ele desembarca na cidade para começar uma nova vida. “O que você queria? O sistema em Portugal não funciona mais”, diz ao correspondente do Le Monde no Brasil.
Para Louro, os efeitos da crise em seu escritório de arquitetura na cidade portuária de Cascais, a 30km da capital portuguesa, começaram a ser sentidos a partir de 2006. Seus oito funcionários foram reduzidos a dois, até que ele se viu só, administrando a empresa. Em seguida, foi preciso aceitar dividir o espaço com outros profissionais para poder pagar as contas. “O setor da construção em Portugal está estagnado”, revela.
No entanto, o recém-chegado ainda não encontrou um novo emprego. Paciente, ele fez alguns trabalhos para escritórios de arquitetura e para uma galeria de arte. Na espera de algo fixo, ele se inscreveu em um curso em uma faculdade de gestão da cidade. “Quando eu cheguei, pensei que as coisas fossem funcionar mais rápido. As pessoas me acolheram com gentileza, todos disseram que me ajudariam, mas no final, nada”, desabafa.

Com o título “Aqui vivemos e lá nós sobrevivemos” o jornal francês Le Monde publica em sua edição desta terça-feira uma matéria sobre a imigração portuguesa no Brasil. O artigo de página inteira é o primeiro de uma série de seis textos sobre as vítimas da crise do Euro que deixam a Europa.

Segundo o vespertino Le Monde, para escapar da estagnação econômica e das altas taxas de desemprego que assolam a União Europeia em plena crise financeira, em 2011, 50 mil portugueses foram se instalar no Brasil. Já o número de espanhóis dobrou nos últimos dois anos.

Aos 47 anos, o arquiteto português Pedro Louro decidiu se mudar para o Brasil, país em que nunca havia posto os pés. No ano passado, aconselhado por um amigo luso-brasileiro instalado em Niterói, no estado do Rio de Janeiro, ele desembarca na cidade para começar uma nova vida. “O que você queria? O sistema em Portugal não funciona mais”, diz ao correspondente do Le Monde no Brasil.

Para Louro, os efeitos da crise em seu escritório de arquitetura na cidade portuária de Cascais, a 30km da capital portuguesa, começaram a ser sentidos a partir de 2006. Seus oito funcionários foram reduzidos a dois, até que ele se viu só, administrando a empresa. Em seguida, foi preciso aceitar dividir o espaço com outros profissionais para poder pagar as contas. “O setor da construção em Portugal está estagnado”, revela.

No entanto, o recém-chegado ainda não encontrou um novo emprego. Paciente, ele fez alguns trabalhos para escritórios de arquitetura e para uma galeria de arte. Na espera de algo fixo, ele se inscreveu em um curso em uma faculdade de gestão da cidade. “Quando eu cheguei, pensei que as coisas fossem funcionar mais rápido. As pessoas me acolheram com gentileza, todos disseram que me ajudariam, mas no final, nada”, desabafa.

De RFI, 23/07/2012.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. Divulgue este site.

Posted in Português.

Tagged with , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam