Skip to content


Aborto – Humberto L. Vieira

O Jornal de Brasília, em sua edição do dia 15 de março último, publicou o artigo da professora Janaína Penalva, da UnB e pesquisadora da Anis, sob o título “Aborto em Anápolis”, onde afirma que os vereadores de Anápolis “decidiram que a democracia está submetida à Igreja Católica e proibiram a realização do aborto no município a qualquer caso”. Ainda nesse artigo se refere ao “serviço de aborto legal” nos casos de estupro e risco de vida da gestante. Primeiramente, não há que falar em “aborto legal”. Todo aborto é crime segundo nosso Código Penal, apenas deixa de ser punido nos casos acima mencionados. Em segundo lugar, não é lógico que a criança, no útero materno, seja penalizada com a pena de morte por um crime que não cometeu. Se não temos a pena de morte para o criminoso, o estuprador, como admiti-la para a criança inocente? Por outro lado, com o avanço da ciência, raros são os casos de risco de vida para a gestante e nesses raros casos é licito o aborto indireto. Mas, a que se deve a defesa do aborto pelos movimentos feministas? Estarão essas feministas defendendo o interesse da mulher? Infelizmente, esses movimentos defendem o interesse de organizações e fundações internacionais interessadas no controle de população em que o aborto é o principal método. Por outro lado, há a preocupação em criar uma raça de puro-sangue com redução da população negra e mestiça, conforme afirma a sra. Margaret Sanger, fundadora da IPPF, em seu livro Pivot of Civilization e publicações em sua revista Birth Control Review. Para se ter uma ideia dos recursos investidos no Brasil é bastante consultar a publicação do Fundo de População da ONU, Inventário dos Projetos de População. Segundo essa fonte foram investidos, no Brasil, no final do século passado e início deste, a soma de US$ 846 milhões para os projetos de população. Entre as fundações que mais financiam esses projetos estão a Fundação Rockeffeler, Fundação Ford, a IPPF e a Fundação MacArthur. É dessa última que recebe recursos a Anis, onde a profa. Janaína Penalva é pesquisadora. Finalmente, conclamamos os movimentos feministas a defenderem os interesses das mulheres brasileiras e não interesses de fundações internacionais preocupadas com a redução da população brasileira.

De Agência UnB, 20/03/2012.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. Divulgue este site.

Posted in Abortismo, Eugenia, Mestiçofobia | Desmestiçagem.

Tagged with .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam