Skip to content


Mestiços excluídos de todas as propostas da Carta da Amazônia para a Rio+20

Todas as propostas fazendo referência a mestiços (caboclos, cafuzos, etc.) foram excluídas da Carta da Amazônia no último dia do Encontro de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia para a Rio+20, que ocorreu em Manaus (AM), de 30 de maio a 1 de junho.
Embora, segundo a organização do evento, no último dia apenas devessem ir a votação na plenária propostas que não tivessem obtido consenso nos grupos de trabalho temáticos, duas propostas a favor de mestiços – uma que reconhecia seus direitos originários e outra que reconhecia a etnia mestiça como nativa -, que haviam sido aprovadas por consenso em grupo de trabalho, foram levadas à votação pela organização do evento, sem que os representantes do movimento mestiço tivessem sido informados e contra acordo firmado com todos sobre a metodologia que seria adotada na aprovação de propostas.
O coordenador geral do Centro Estadual de Mudanças Climáticas (Ceclima) da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do AM (SDS) e coordenador da Campanha de Clima do Greenpeace (segundo reportagem de 2010 do site desta organização baseada na Holanda), João Talocchi, que administrava a Plenária, acatou a demanda de delegado ligado ao movimento negro – e contra decisão da própria Plenária -, também colocou em votação a exclusão das referências a mestiços e a caboclos em todas as propostas já aprovadas nos grupos de trabalho nas quais constassem. Por 50 votos a favor e 48 contra, a etnia mestiça, a mais numerosa da Amazônia, ficou excluída da Carta que será entregue à Rio+20.
As organizações mestiças presentes retiraram apoio a qualquer documento produzido no Encontro e pretendem denunciar a atuação da administração do evento a organizações de direitos humanos e ao ministério público para que investiguem possível prática de racismo e à Rio+20, à qual a Carta é endereçada.
Nesta segunda-feira (4), a presidente do Nação Mestiça e presidente do Conselho Municipal de Direitos Humanos de Manaus (CMDH), Helderli Castro, e outros ativistas do movimento mestiço foram à SDS, mas não foram recebidos pela secretária Nádia Ferreira.
.
Todas as propostas fazendo referência a mestiços (caboclos, cafuzos, etc.) foram excluídas da Carta da Amazônia no último dia do Encontro de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia para a Rio+20, que ocorreu em Manaus (AM), de 30 de maio a 1 de junho.
.
Embora, segundo a organização do evento, no último dia apenas devessem ir a votação na plenária propostas que não tivessem obtido consenso nos grupos de trabalho temáticos, duas propostas a favor de mestiços – uma que reconhecia seus direitos originários e outra que reconhecia a etnia mestiça como nativa -, que haviam sido aprovadas por consenso em grupo de trabalho, foram levadas à votação pela organização do evento, sem que os representantes do movimento mestiço tivessem sido informados e contra acordo firmado com todos sobre a metodologia que seria adotada na aprovação de propostas.
.
O coordenador geral do Centro Estadual de Mudanças Climáticas (Ceclima) da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do AM (SDS) e coordenador da Campanha de Clima do Greenpeace (segundo reportagem de 2010 do site desta organização baseada na Holanda), João Talocchi, que administrava a Plenária, acatou a demanda de delegado ligado ao movimento negro – e contra decisão da própria Plenária -, também colocou em votação a exclusão das referências a mestiços e a caboclos em todas as propostas já aprovadas nos grupos de trabalho nas quais constassem. Por 50 votos a favor e 48 contra, a etnia mestiça, a mais numerosa da Amazônia, ficou excluída da Carta que será entregue à Rio+20.
.
As organizações mestiças presentes retiraram apoio a qualquer documento produzido no Encontro e pretendem denunciar a atuação da administração do evento a organizações de direitos humanos e ao ministério público para que investiguem possível prática de racismo e à Rio+20, à qual a Carta é endereçada.
.
Nesta segunda-feira (4), a presidente do Nação Mestiça e presidente do Conselho Municipal de Direitos Humanos de Manaus (CMDH), Helderli Castro, e outros ativistas do movimento mestiço foram à SDS, mas não foram recebidos pela secretária Nádia Ferreira.

Posted in Eventos, Mestiçofobia | Desmestiçagem, Multiculturalismo.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam