Skip to content


ALEAM realizou audiência pública sobre cotas raciais na UFAM

A Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALEAM) realizou hoje (16) audiência pública sobre a implantação de cotas na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). A audiência foi de autoria do deputado Tony Medeiros e foi presidida pelos deputados Ricardo Nicolau e Sidney Leite. Estiveram presentes a presidente do Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro (Nação Mestiça), Helderli Castro de Sá e a coordenadora da Associação dos Caboclos e Ribeirinhos da Amazônia (ACRA), Antônia Roseane Nascimento.

O coordenador do Fórum Nacional do Mestiço, Leão Alves, pronunciou-se afirmando, com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que a renda média da população parda é inferior à renda média da população preta e que a idéia de que pretos estejam em situação econômica  média inferior à dos pardos é um preconceito.  Falou sobre a política de discriminação contra pardos e outros mestiços pelo governo federal. Lembrou que na mídia muitas vezes aparece a informação errada de que as cotas raciais atuais seriam para negros e pardos e destacou que nas cotas raciais implantadas tem havido a obrigatoriedade de que pardos tenham que identificar-se como negros para ter acesso a cotas raciais. Ilustrou com vídeo em que a ministra da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), Luiza Bairros, respondendo ao jornalista Patrick Mota, da Amazonas FM, condiciona o atendimento aos caboclos e ribeirinhos a eles declararem-se negros. Lembrou que antes da chegada dos primeiros navios negreiros ao Brasil, já havia mestiços e que estes foram escravizados.

Posted in Português.

Tagged with , , , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam