Skip to content


Letónia não quer falar russo

Os cidadãos da Letónia responderam com um “não” bem audível à proposta de tornar o russo segunda língua oficial no país, num referendo, votado neste sábado, que o Presidente, Andris Berzins, avaliara como “absurdo” e um reflexo de que os partidários daquela adopção “não estão em sintonia” com a população.
Com uma taxa de participação que ultrapassou os 69% – muito acima do registado em eleições anteriores e para lá das expectativas para este referendo – mais de três quartos dos eleitores rejeitaram a proposta, de acordo com dados da Comissão Eleitoral, já com 90% dos boletins contados.
O referendo, lançado pelo movimento russófono Língua Nativa, expõe uma profunda divisão social e tensões étnicas, com os letões da etnia russa (cerca de um terço da população) há muito a reclamarem serem vítimas de discriminação no país, que se tornou independente da Rússia em 1991 após mais de 50 anos sob o domínio soviético.
Aprender a língua letã tornou-se um requisito para a aquisição de cidadania nos anos que se seguiram à separação da União Soviética, mas ao fim de mais de duas décadas muitos letões russófonos continuam a resistir – 300 mil dos quais ainda não receberam o estatuto de cidadão e, por isso, não podem votar nas eleições, nem desempenhar cargos públicos ou trabalhar para quaisquer instituições do Governo.
Para muitos letões a iniciativa de referendo não passou de uma tentativa para desestabilizar a independência do país, membro da União Europeia desde 2004. O Presidente avaliou-o mesmo como “absurdo”, sublinhando que a maior parte da população está “mais preocupada é com a recuperação da grave recessão”.
Berzins deixou claro ser um defensor do “não” no referendo, afirmando que “não há necessidade nenhuma de uma segunda língua”: “Quem queira pode usar a sua língua em casa ou até mesmo na escola”, defendeu, evocando que o Governo financia as escolas dos grupos minoritários populacionais, nas quais é usada a sua própria língua.
Os cidadãos da Letónia responderam com um “não” bem audível à proposta de tornar o russo segunda língua oficial no país, num referendo, votado neste sábado, que o Presidente, Andris Berzins, avaliara como “absurdo” e um reflexo de que os partidários daquela adopção “não estão em sintonia” com a população.
.
Com uma taxa de participação que ultrapassou os 69% – muito acima do registado em eleições anteriores e para lá das expectativas para este referendo – mais de três quartos dos eleitores rejeitaram a proposta, de acordo com dados da Comissão Eleitoral, já com 90% dos boletins contados.
.
O referendo, lançado pelo movimento russófono Língua Nativa, expõe uma profunda divisão social e tensões étnicas, com os letões da etnia russa (cerca de um terço da população) há muito a reclamarem serem vítimas de discriminação no país, que se tornou independente da Rússia em 1991 após mais de 50 anos sob o domínio soviético.
.
Aprender a língua letã tornou-se um requisito para a aquisição de cidadania nos anos que se seguiram à separação da União Soviética, mas ao fim de mais de duas décadas muitos letões russófonos continuam a resistir – 300 mil dos quais ainda não receberam o estatuto de cidadão e, por isso, não podem votar nas eleições, nem desempenhar cargos públicos ou trabalhar para quaisquer instituições do Governo.
.
Para muitos letões a iniciativa de referendo não passou de uma tentativa para desestabilizar a independência do país, membro da União Europeia desde 2004. O Presidente avaliou-o mesmo como “absurdo”, sublinhando que a maior parte da população está “mais preocupada é com a recuperação da grave recessão”.
.
Berzins deixou claro ser um defensor do “não” no referendo, afirmando que “não há necessidade nenhuma de uma segunda língua”: “Quem queira pode usar a sua língua em casa ou até mesmo na escola”, defendeu, evocando que o Governo financia as escolas dos grupos minoritários populacionais, nas quais é usada a sua própria língua.
.
De Público, 19/02/2012.
.
Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça.

Posted in Português.

Tagged with , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam