Skip to content


Reunião com MPF discute impacto social da demarcação de terras quilombolas

As associações comunitárias de Aguapés, Osório e Maquiné reuniram-se com o Ministério Público Federal (MPF) para tratar de questões fundamentais no andamento do processo de desapropriação de terras pelo INCRA na região. O encontro também contou com a presença de lideranças afrodescendentes, naturais do local há gerações, e aconteceu dia 22 de novembro na sede da entidade em Porto Alegre, através de seu representante, o procurador da República, Juliano Karam.

Ao apresentar um detalhamento aprofundado do impacto socioeconômico nos municípios do litoral norte gaúcho, as lideranças comunitárias buscaram enfatizar ao Dr. Karam a gravidade da situação através de farta documentação. Foi destacado, por exemplo, que o número de famílias a serem atingidas é de fato bem superior ao mencionado no relatório do INCRA, teoricamente o orgão do governo federal, encarregado por lei, para analisar o assunto.

A metodologia do INCRA relaciona uma família com cada propriedade atingida em seu levantamento. Desta forma, além de um grande número de proprietários não ter seu nome mencionado no documento, existe o dado – extremamente relevante – de que um grande número de propriedades tem múltiplas famílias vivendo no mesmo terreno. Existem propriedades com duas, quatro, oito ou até mesmo 20 famílias juntas, reunindo avós, filhos e netos totalizando cerca de 950 famílias de não quilombolas que vivem dentro do perímetro pretendido pelo INCRA.

As associações comprovaram através de fotografias e documentos ao procurador federal a existência de alto grau de integração entre brancos e negros nas comunidades. Afinal, a convivência acontecia naturalmente na região sem os interesses que o Decreto Presidencial N°4.887/2003 incitou. Cabe destacar que a ‘flexibilização da Constituição’ permite a qualquer pessoa se declarar negra e se autoatribuir um pedaço de terra para tomar posse. É inviável separar famílias, locais e instituições de convívio, expulsando brancos, pois essa segregação não existe nem nunca existiu na prática. Tal aberração constitucional pode causar um caos entre as famílias de mestiços e aparentados entre si.

Também foi explicado ao Procurador Federal como é o processo de preparação de solos para hortigranjeiros. Os agricultores ao longo de seis gerações desenvolveram um mosaico integrado, contendo um arranjo produtivo e tornando um dos solos mais férteis do estado, com relevante proteção aos corpos hídricos e preservação do bioma da mata atlântica na região. São necessários cerca de 25 anos para se atingir o grau de maturação do solo, sem falar na infraestrutura de irrigação e nos mercados de feiras, formando um elo de desenvolvimento muito forte (produtor – comércio -consumidor). Realocar toda a agricultura familiar em outro lugar seria de uma complexidade absurda, pois as pessoas envolvidas seriam obrigadas – em uma mesma vida – a reconstruir e restabelecer o mesmo estágio produtivo arduamente alcançado em outro lugar.

A desapropriação de terras significa a ruína de um enorme número de pessoas que não são posseiros e muito menos invasores como funcionários do próprio INCRA tem se referido. São cidadãos e proprietários com escrituras públicas e que deveriam gozar de proteção do Estado e não da ameaça instrumentalizada que estão sofrendo do órgão federal e com certo protagonismo do próprio MPF, quando este cobra a implementação de um projeto de desapropriação coberto de vícios e imperfeições.

As lideranças afrodescendentes presentes na reunião, que também são proprietários regularizados e membros da comunidade e não são favoráveis ao pleito da associação quilombola, também manifestaram sua preocupação. Elas sabem que nenhuma pessoa será mais proprietária da sua casa ou terreno e que, obviamente, serão expulsos.

Ao final da reunião, a Associação Comunitária dos Moradores e Agricultores Familiares de Aguapés e a Associação Comunitária em Defesa da Terra de Maquiné e Osório entregaram em mãos ao Dr. Juliano Karam, um documento com relatos e fotos da comunidade, cópias de escrituras, assim como sugestões de encaminhamento de solução para o problema da região.

No exercício de seu papel de fiscal da lei pediram ao procurador o aprofundamento na questão e consequente forma instrumentalizada como está sendo conduzido o processo – por pressões de interessados e articuladores identificados com a causa.

A injustiça que pode ser cometida com os cidadãos das comunidades de Aguapés, Osório e Maquiné é muito grande. E, como o próprio Dr. Juliano Karam afirmou: “toda esta lei e processo são muito novos”. Mas a comunidade deixou muito claro que não está disposta a ser cobaia ou laboratório de experiência social em um processo de aprendizado dos legisladores e autoridades públicas.

Mais informações:
http://comunidadeaguapes.blogspot.com
http://www.terranossamaquine.com.br
(Informações Ascom)

De O Girassol.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam