Skip to content


BID usa dinheiro brasileiro para financiar racismo contra povo mestiço da Bolívia

O presidente Luis Arce junto com Mauricio Claver-Carone, presidente do BID, que financia o censo que exclui mestiços. Foto: Twitter (Luis Arce).

Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID disponibilizou para o governo da Bolívia 100 milhões de dólares para a realização do censo do país, que excluirá novamente a opção mestiço. O presidente atual, Luis Arce, é do Movimento ao Socialismo – MAS, partido de Evo Morales, que quando presidente também impediu que mestiços se declarassem no censo. Em 2012, ano em que o ex-presidente Evo Morales excluiu mestiços do censo, o Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro e outras associações brasileiras emitiram nota em apoio aos mestiços bolivianos  e desmentindo diversas afirmações do governo da época. O BID recebe dinheiro do Brasil, mas Constituição brasileira (art. 4.º, VIII) proíbe patrocinar racismo no estrangeiro. 

O governo boliviano informou esta quarta-feira, 13, que o Recenseamento da População e da Habitação, previsto para ocorrer em 16 de novembro, vai custar 68 milhões de dólares e que a categoria “mestiço” não será incluída na votação, porque seria um “revés” e incorreria em “discriminação”.

A informação, segundo o jornal El Deber, é da ministra do Planejamento, Gabriela Mendoza, que afirmou que 40 milhões virão do Fundo Financeiro para Desenvolvimento da Bacia do Prata – FONPLATA, 26,4 milhões do BID (ambos organismos internacionais) e 1,6 milhão de recursos do nível central do Estado, afirmação confirmada pelo governo da Bolívia. O FONPLATA também recebe dinheiro brasileiro. Além do Brasil, fazem parte do órgão a Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai.

Sem apresentar documentos, a ministra atribuiu em entrevista coletiva a um “pronunciamento” da ONU não incluir a opção mestiço no censo porque este seria uma “raça humana”. e que o banco de questões atenderia a parâmetros e consistência exigidos pelos organismos estrangeiros:

“Sobre o mestiço, há um pronunciamento das Nações Unidas, de muitíssimos anos atrás, onde não se incluem tipologias da raça humana, portanto, seria um retrocesso e seria uma característica totalmente discriminatória, por isso é importante divulgar essa informação para a população”, disse o ministro.

Sublinhou que a realização do inquérito nacional é da competência privada do “nível central”.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam