Skip to content


STJ decide a favor de autodeclarado pardo que se identificou pelos critérios do IBGE contra exigência de aparência por tribunal racial

A ministra Assussete Magalhães, do Superior Tribunal do Justiça – STJ, decidiu favoravelmente a decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul – TJMS que considerou arbitrário adotar critério fenotípicos (de aparência) sem previsão legal em concurso para ingresso em curso de formação da Polícia Militar. O caso se refere a cadidato autodeclarado pardo que foi reprovado por um tribunal racial e recorreu ao TJMS. Inconformado, o Estado de Mato Grosso do Sul recorreu ao STJ.

Segundo o acórdão do TJMS, a exigência de fenótipo pelo tribunal racial é “incompatível com o disposto na Lei 12.990/14, que adota a classificação étnica feita pelo IBGE, que divide os brasileiros entre pretos, pardos, brancos, amarelos e indígenas. Pardo, segundo critério adotado pelo IBGE, é a pessoa com várias ascendências étnicas, com mistura de cores de pele, seja essa miscigenação mulata (descendente de brancos e negros), cabocla (descendentes de brancos e ameríndios), cafusa descendentes de negros e indígenas) ou mestiça.”

Cópia da Decisão Monocrática.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam