Skip to content


Deputada apresenta PL que revoga lei de cotas raciais no ensino superior

Deputada federal Dayane Pimentel (PSL-BA).

A deputada federal Dayane Pimentel (PSL-BA) apresentou na Câmara o Projeto de Lei 1443/2019 que revoga a chamada Lei de Cotas, que obriga as universidades, institutos e centros federais a reservar vagas para cotas raciais.

A Lei de Cotas (Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012) está em vigor desde 29 de agosto de 2012, quando foi sancionada pela então presidente Dilma Rousseff (PT).

O dispositivo assegura que metade das vagas deve ser reservada aos estudantes cujas famílias tenham renda igual ou inferior a 1,5 do salário mínimo por pessoa (R$ 1.497 mil, no momento). As cotas raciais também entram nessa conta e são proporcionais à população de pretos, pardos e indígenas de cada unidade da federação, conforme censo do IBGE.

Em um texto apresentado na última quarta-feira (13), Dayane, por sua vez, afirma que tais diretrizes criam, artificialmente, divisões entre brasileiros com potencialidade de criar indevidamente “conflitos sociais” desnecessários.

E cita um trecho da Constituição Federal de 1988 para justificar a sua proposta. “‘Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: […] IV- promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação’ (art. 3º). Na medida em que quaisquer formas de discriminação são vedadas constitucionalmente, não caberia à legislação ordinária estabelecer tais distinções no ordenamento jurídico pátrio”, diz a deputada na proposição.

“Se os brasileiros devem ser tratados com igualdade jurídica, pretos, pardos, indígenas, pessoas com deficiência e estudantes oriundos de famílias com renda igual ou inferior a 1,5 salário mínimo per capita, não deveriam ser destinatários de políticas públicas que criam, artificialmente, divisões entre brasileiros, com potencialidade de criar indevidamente conflitos sociais desnecessários.”

Para Dayane, se o disposto da Carta Magna se aplica a todos os âmbitos, “não se deve dar tratamento legal diferenciado para o ingresso na educação pública federal de níveis médio e superior”.

Movimento Mestiço contra cotas raciais

O Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro (Nação Mestiça) foi a única organização étnica a ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra cotas raciais. Durante audiência pública e manifestando-se como amicus curiae da ADPF 186, que questionava a constitucionalidade das cotas, o Nação Mestiça denunciou que o objetivo das cotas raciais era a eliminação da identidade mestiça brasileira, o que também se confirmou após a aprovação da Lei de Cotas.

Ministro do PT impediu que pardos tivessem cotas exclusivas e separadas das dos pretos

Após o Nação Mestiça ter acionado o Ministério Público para que fossem asseguradas cotas exclusivas para pardos, o então ministro da Educação, Aloizio Mercadantes, publicou a Portaria nº18/2012, determinando cota única somando pretos e pardos e “admitindo” somente cotas exclusivas para “indígenas”

A Lei de Cotas estabelece cotas específicas para cada um destes segmentos. Em entrevista coletiva para apresentar a implementação da lei pelo governo Dilma (PT), no dia 15 de outubro, em Brasília, o ministro considerou inadmissível que pardos tivessem cotas separadas das dos negros.

São muitos os casos de pardos excluídos das cotas raciais por não serem considerados negros – apesar da Lei de Cotas não fazer referência a negros.

Ideia é suprimir apenas cotas raciais, diz deputada

A assessoria da deputada informou que a proposição visa suprimir apenas as cotas raciais e, por isso, terá redação atualizada.

“A Deputada Federal Professora Dayane Pimentel (PSL/BA) informa que há uma vinculação automática entre as cotas raciais e sociais no artigo da referida Lei de Cotas e que, para a desassociação, já que a deputada busca apenas suprimir as cotas raciais, haverá, no mesmo projeto, substituição dos termos. O PL apresentado busca suprir pura e simplesmente as cotas raciais. Por ser um artigo vinculado às cotas sociais, as quais apoio, o projeto foi apresentado sem essa separação. Isso será sanado por meio de termos substitutivos. Friso, assim, cumprir meu compromisso de campanha: suprimir cotas raciais e manter as sociais”, diz nota encaminhada à reportagem.

O projeto de Dayane Pimentel —o terceiro apresentado até agora em seu primeiro mandato — corrobora uma das pautas defendidas pelo à época presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) na disputa pelo Planalto. Em entrevista ao programa Roda Viva (TV Cultura), em 30 de julho do ano passado, o capitão da reserva disse ser favorável à redução das cotas.

“Não vou falar que vou acabar [com as cotas], porque depende do Congresso. Quem sabe a diminuição do percentual. Não só para universidade, mas para concurso público. Pelo amor de Deus, vamos acabar com essa divisão no Brasil”, declarou Bolsonaro na ocasião.

Com informações de Bahia.ba.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam