Skip to content


A guerra entre pretos e mulatos

Após a independência do Haiti em 1804, o imperador preto Dessalines estabeleceu uma Constituição que apagava os mulatos e classificava todos os haitianos “na denominação genérica de noirs (pretos)”; também proibia brancos de terem propriedade. Assassinado em 1805, o país rachou: ao norte surgiu o Reino do Haiti, do imperador preto Henri Christophe, Henrique I, um ex-escravo, e ao sul a República do Haiti, do presidente mulato Alexandre Pétion, um militar de pai francês e mãe mulata, cuja Constituição concedia direito de naturalização a africanos, índios e mestiços.

Henrique I tentou sem sucesso em 1812 conquistar Port-au-Prince, a capital da República. Também financiou um rebelde chamado Jean-Baptiste Perrier, alcunhado Goman, que manteve um território preto em Grand-Anse, no sul da República, de 1807 a 1819. Neste ano, após a morte de Pétion, o novo líder mulato, Jean-Pierre Boyer, capturou e executou Goman.

Em 1820, o imperador preto, doente e cercado por rebeliões em seu reino, matou-se. O presidente mulato, então, com 20 mil soldados, entrou pouco depois em Cap-Haïtien, a capital do norte, e reunificou o Haiti.

Posted in Mensagem Mestiça, Mestiçofobia | Desmestiçagem, Pretismo | Negrismo | Transnegrismo.

Tagged with , , , , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam