Skip to content


Brancos indigenistas do GF e MP tentam novas limpezas étnicas contra mestiços no AM

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge, chefe do Ministério Público. Cargos fundamentais da administração pública e para o Indigenismo são quase um monopólio de brancos. Isolar índios para evitar mestiçagem é uma das atribuições constitucionais do MP.

Um mandado judicial ordenando que um mestiço se retirasse de um terreno localizado onde a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) – governo Temer – e o Ministério Público (MP) pretendem criar o bantustão Ponciano, no AM, causou apreensão na comunidade mestiça da região.

No domingo (2), no terreno do Nação Mestiça na comunidade Novo Céu em Autazes (AM), houve uma reunião do Núcleo local da associação. Entre os temas tratados, o caráter nativo do Povo Mestiço e a tentativa de brancos indigenistas da FUNAI (governo Temer) e MP fazerem limpeza étnica contra o Povo Mestiço.

“A propaganda indigenista passa a idéia de que brancos estejam invadindo terras dos índios. Na verdade, quem está defendendo terras exclusivas para índios são os brancos indigenistas e os que estão sendo expulsos somos nós do Povo Mestiço. Basta verificar os indigenistas que são religiosos, promotores, dirigentes da FUNAI e do Ministério Público, antropólogos, políticos e outros para verificar que grande parte, senão a maioria dos indigenistas, é formada por brancos”, afirmou Leão Alves, coordenador do Fórum Nacional do Mestiço.

Os territórios dos municípios de Autazes e Careiro da Várzea são reconhecidos por leis municipais como territórios do Povo Mestiço, mas o fato tem sido ignorado nos laudos indigenistas da FUNAI para a invenção de bantustões na área.

“Há um racismo supremacista branco no Brasil e o Indigenismo é uma das formas pelas quais ele promove divisão racial e combate mestiçagem e o Povo Mestiço”, afirmou Leão Alves.

Brancos indigenistas, através de ONGs e governos do Brasil e estrangeiros, são os principais promotores e financiadores das limpezas étnicas contra o Povo Mestiço e pretendem promover novas expulsões nos municípios de Autazes, Careiro da Várzea e em diversos outros.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam