Skip to content


Lei do Ventre Livre: Presidente do STF compara escravas a criminosas

Ministra Cármen Lúcia, do STF.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, comparou a condição das mães presidiárias condenadas por prática de crimes à das escravas que viviam sob a Lei do Ventre Livre. Segundo a ministra: “A Lei do Ventre Livre é de 1871 e nós continuamos a ter brasileirinhos nascendo em penitenciárias sem ter feito nada”.

A declaração infeliz foi dada em entrevista ao programa Link CNJ, do Conselho Nacional de Justiça.

As escravas não eram criminosas nem viviam em penitenciárias; viviam sem liberdade devido o escravismo.

A Lei do Ventre Livre, ou Lei Rio Branco, estabelecia que “os filhos de mulher escrava que nasceram no Império desde a data desta lei serão considerados de condição livre.”

Segundo as regras do escravismo adotadas no Brasil, era a condição das mães que determinava se o filho seria escravo ou não: filhos de mulheres livres, fosse o pai escravo ou não, eram livres e filhos de escravas, fosse o pai escravo ou não, eram escravos. A Lei do Ventre Livre mantinha a mulher como escrava, mas não seu filho, como se seu “ventre” fosse considerado livre.

A ministra Cármen Lúcia foi indicada em 2006 para o STF pelo então presidente Lula da Silva, atualmente cumprindo pena de prisão por corrupção.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam