Skip to content


O que Serafim Corrêa disse sobre os caboclos

Para Serafim Corrêa, prefeito branco e socialista de Manaus de 2005 a 2008, caboclos não sabem que existem.

O texto abaixo é do veto do ex-prefeito Serafim Corrêa a dois artigos do PL 077/2007 que visava  instituir o Dia do Caboclo em Manaus.

Os mestiços compõem o mais numeroso segmento étnico de Manaus e da Amazônia, sendo em sua maioria caboclos. O PL não visava a um feriado, como o em homenagem ao Dia da Consciência Negra instituído na administração de Serafim Corrêa. 

A importância do texto do veto está, entre outras, em revelar o entendimento do ex-chefe do Executivo sobre a identidade de seus eleitores mestiços caboclos, como também em permitir a estes e a toda a sociedade uma meditação mais aprofundada sobre o que as atuais políticas raciais antimestiças reservam ao primeiro mestiço brasileiro. Os destaques são nossos.

OFÍCIO N° 359/GP

Manaus, 15 de outubro de 2007.

A Sua Excelência o Senhor
Vereador JOÃO LEONEL DE BRITO FEITOZA
Presidente da Câmara Municipal de Manaus
Manaus – Amazonas

ASSUNTO: Veto Parcial ao Projeto de Lei n° 077/2007

Senhor Presidente,

Atendendo ao Ofício n° 102/2007-PRES/DL/LEIS/CMM, comunico a essa Casa Legislativa, por intermédio de Vossa Excelência e com base no parágrafo 2º do artigo 65 da LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE MANAUS, a aposição de VETO PARCIAL aos artigos 3º e 4º do Projeto de Lei n° 077/2007, da lavra do Vereador Williams Coelho da Silva, que “INSTITUI, no âmbito do município de Manaus, o dia 24 de junho como o Dia do Caboclo, na forma que especifica, e dá outras providências”.

Tal posicionamento foi embasado no parecer da Procuradoria Geral do Município, cujo teor ora transcrevo como RAZÕES DE VETO, por considerar a matéria passível de ampla discussão e que envolve diferentes graus de miscigenação, além de não constituir objeto de interesse público, por estarem ausentes os requisitos essenciais de conveniência e oportunidade administrativas:
“Processo: 2007/2287/2908/01268
Interessado: Gabinete Civil/ Câmara Municipal de Manaus
Assunto: Projeto de Lei n° 077/2007 de autoria do vereador Williams Coelho da Silva.

PROMOÇÃO:

Trata-se de solicitação para análise e parecer sobre o projeto de Lei n° 077/07, de autoria do Vereador Williams Coelho da Silva que “Institui no âmbito do município de Manaus, o dia 24 de junho como o Dia do Caboclo e dá outras providências”.

Quando da análise de projetos de Lei cabe à Procuradoria Geral do Município manifestar-se quanto à constitucionalidade do mesmo, a conveniência e a oportunidade administrativas.

Quanto à constitucionalidade, nada se tem a objetar, vez que: i) trata-se de projeto de lei municipal a regular assunto local, em observância ao art. 30 da Constituição Federal de 1988; ii) trata-se de matéria não restrita ao Chefe do Executivo, não padecendo de vício de iniciativa, o que se constata da exegese do art. 61, CF/88 e LOMAN, art. 58; iii) contém assunto não reservado à Lei Complementar.

Da análise feita ao projeto de Lei em comento e as leis que regem a matéria, constata-se que o mesmo visa homenagear a população cabocla, que representa um contingente significativo na região norte, e prestar o devido reconhecimento e valorização destes povos, através de políticas públicas que promovam o desenvolvimento humano e social desta comunidade.

Em que pese a iniciativa do vereador em instituir data comemorativa para homenagear o caboclo, os artigos 3° e 4° do projeto não demonstram qualquer interesse público, ou seja, não atendem os requisitos essenciais de conveniência e oportunidade, senão vejamos.

A Constituição da República prevê e assegura o controle participativo da gestão pública pelos cidadãos em vários dispositivos (art. 29, XIII, art. 227, §7°), no entanto, a participação representativa em órgãos de deliberação coletiva – Conselhos – condiciona-se à previsão expressa nos seus estatutos. Ademais, imprescindível que a sociedade civil representada demonstre reconhecimento público e consciência cívica de sua existência, sob pena da participação destes representantes exercerem função meramente simbólica e decorativa.

Não existe pertinência em assegurar a participação de representantes dos caboclos em Conselhos municipais, pois tal categoria não possui o reconhecimento público necessário. Não se trata de classe isolada da sociedade, objeto de preconceito ou discriminação que possa ensejar em políticas públicas afirmativas a fim de realizar e efetiva integração.

A miscigenação que deu origem aos caboclos é resultado natural da mistura dos povos da região norte (branco e nativo). A maioria, senão todos, possuem um grau diferente desta miscigenação, por menor que seja a incidência desta mistura estaremos diante de um caboclo. A instituição desta representação nos Conselhos deliberativos municipais violaria o princípio da isonomia amparado pela Constituição Federal em seu art. 5°.

Quanto à tentativa de incluir na rede pública de ensino estadual, entre os denominados “temas transversais”, a caboclitude, vale lembrar que é de competência da União a coordenação da política nacional de educação. Os sistemas de ensino devem ser organizados entre os entes federados, sob o regime de colaboração, nos termos da Lei Federal n° 9.394/96 (lei de Diretrizes e Bases).

Face ao exposto, recomendo o Veto dos artigos 3° e 4° do Projeto de Lei n° 077/2007, por não atender aos requisitos de conveniência e oportunidade administrativas.”

Ao restituí-la, portanto, a esse Poder Legislativo, de conformidade com o parágrafo 4º e 6º do artigo 65 da LEI MAIOR DO MUNICÍPIO, manifesto meus cumprimentos a V. Exª. e aos demais edis,
atenciosamente.

SERAFIM FERNANDES CORRÊA
Prefeito de Manaus

O texto pode ser também acessado na edição digital do Diário Oficial do Município, de 17/10/2007.

Posted in Português.

Tagged with , , , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam