Skip to content


Governo Temer baixa portaria que dificulta pardo concorrer a cotas no serviço público

Presidente branco Michel Temer (MDB). O negrismo foi idealizado e transformado em lei por políticos brancos de esquerda.

Portaria do Governo Federal estabelece que pardos deverão ser submetidos a uma comissão com o poder de decidir se são “negros” ou não, caso concorram a cotas na administração pública federal. O negrismo é contra que pardos sejam livres e tenham sua identidade própria mestiça e exige que sejam considerados “negros”. Quando pardos, porém, buscam benefícios para “negros”, o negrismo cria obstáculos e pardos sofrem exclusões e até ameaças de processos judiciais.

O Ministério do Planejamento publicou nesta terça-feira (10), no Diário Oficial da União, a Portaria Normativa nº4, de 6 de abril de 2018 , que “regulamenta o procedimento de heteroidentificação complementar à autodeclaração dos candidatos negros, para fins de preenchimento das vagas reservadas nos concursos públicos federais, nos termos da Lei n°12.990, de 9 de junho de 2014.”

A portaria cria uma “comissão de heteroidentificação” formada por pessoas “que tenham participado de oficina sobre a temática da promoção da igualdade racial” realizada pela SEPPIR, o órgão responsável pela política negrista e antimestiça do Governo Federal.

A Lei n°12.990, de 9 de junho de 2014, estabelece que poderão concorrer às vagas reservadas a candidatos “negros” aqueles que se “autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição no concurso público, conforme o quesito cor ou raça utilizado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.”

Posted in Cotas, Português, Pretismo | Negrismo | Transnegrismo, Transracialismo | Transracismo.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam