Skip to content


O dia em que a ONU perguntou ao governo Lula sobre as crianças mestiças do Brasil

Na sexta-feira de 6 de março de 2009, o governo brasileiro, então sob o comando do presidente Lula, devolveu ao Conselho Econômico e Social das Nações Unidas, em Genebra, na Suíça, um questionário  que perguntava sobre a situação das crianças mestiças no Brasil. A resposta mostra a natureza e método da ideologia do governo comunista que por 13 anos comandou o país.

No questionário, é requerido ao governo petista

“informar pormenorizadamente sobre as medidas concretas que se estão adotando para lutar contra a alta taxa de abandono escolar em todo o país e em todos os níveis, em particular entre os pobres, as crianças mestiças, crianças de ascendência africana, as crianças indígenas e as crianças que vivem em zonas remotas.”

O governo Lula simplesmente fingiu que não entendeu a pergunta e apresentou um Brasil dividido entre brancos e negros:

“As desigualdades que se observam no terreno da educação guardam uma estreita relação com as desigualdades de ingressos, étnicas/raciais e territoriais. Ademais, as práticas discriminatórias étnicas/raciais, geracionais, de gênero e baseadas na orientação sexual, entre outras, contribuem para gerar e perpetuar as desigualdades. Um exame dos dados do IBGE desde a perspectiva étnico-racial revela a persistência perturbadora das diferenças em matéria de escolarização entre brancos e negros no curso de um século, apesar de que ao largo desse período no tempo médio de escolarização de ambos grupos há aumentado de forma contínua.”

O governo petista também não perdeu a oportunidade de “falar mal” do povo brasileiro:

“Por um lado, a persistência das desigualdades faz com que a menor participação das pessoas de ascendência africana, os índios, os pobres, a população pobre das zonas rurais, as crianças e jovens que seguem atrasados nos estudos com respeito ao nível que lhes corresponderia por idade, e os jovens e adultos com escassa formação, pareça algo natural, reforçando a estigmatização que sofrem estes grupos sociais, obstaculizando o desenvolvimento de suas capacidades individuais e impedindo-lhes o pleno desfrute de seus direitos cidadãos. A estes brasileiros se lhes nega a igualdade de oportunidades que o país deveria garantir a todos. Sua exclusão do sistema educativo reforça o carácter hierárquico e autoritário da sociedade, acentua as diferenças sociais e ameaça o desenvolvimento democrático do país e a construção de uma sociedade justa e coesa.”

Periodicamente a ONU sabatina seus países-membros sobre o cumprimento de compromissos internacionais; no caso acima, o  Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, assinado pelo presidente Fernando Collor, em 1992.

Uma das medidas genocidas implementadas pelos governos Lula e Dilma foi somar os dados sobre pretos e pardos e agrupá-los na categoria ‘negro’ de modo a dificultar a obtenção de informações sobre mestiços e apagá-los oficialmente.

Posted in Comunismo, Mestiçofobia | Desmestiçagem, Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam