Skip to content


CPI da FUNAI da Câmara dos Deputados pede indiciamento de João Pedro

Leão Alves, coordenador do FNM; Helda Castro, presidente do Nação Mestiça; Edgar Freitas Siqueira; deputado federal Alceu Moreira, presidente da CPI da FUNAI e INCRA 2; Abiel Silva, presidente da ASPAIUB; e Milton Andrade, presidente do Sindicato Rural de Ilhéus, logo após a leitura do relatório final da CPI, apresentado pelo deputado Nilson Leitão.

Relatório de comissão registra os depoimentos de membros do Nação Mestiça e inclui procuradores, antropólogos, índios, ativistas e servidores em lista com pedidos de investigação

O relatório final da CPI da FUNAI-INCRA 2 apresentado na quarta-feira, 3, na Câmara inclui, entre mais de uma centena de indiciados, o nome do ex-presidente da FUNAI e ex-senador do PT-AM, João Pedro Gonçalves da Costa.

O relatório final, apresentado pelo deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), pede o indiciamento do ex-presidente da Funai, João Pedro Gonçalves da Costa, por improbidade e desobediência à ordem legal de funcionário público. O desembargador Gercino José da Silva Filho, exouvidor agrário nacional do Incra e ex-presidente da Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo, também é acusado de improbidade administrativa.

No relatório final da comissão, o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, do PT, é acusado de ter cometido crimes como associação criminosa, apoio a ações de esbulho possessório e retardamento de atos de ofício contra disposição expressa de lei, além de improbidade administrativa.

Ao todo, o relatório traz 144 encaminhamentos e indiciamentos. Nas investigações atreladas ao INCRA, são 41 casos. Desses, há 28 indiciamentos de pessoas ligadas ao órgão, três antropólogos e 14 procuradores da República. Em relação à FUNAI, o total é de 103 investigações, envolvendo 14 procuradores, 11 antropólogos, 33 índios, 5 servidores da Funai, 5 pessoas ligadas à organização Centro de Trabalho Indigenista (CTI) e 21 pessoas ligadas ao Conselho Indigenista Missionário (CIMI), além do ex-ministro José Eduardo Cardoso.

O relatório foi alvo de um pedido de vista conjunto apresentado por dez deputados. O texto deve voltar ser votado na próxima semana. De forma geral, as acusações dão conta de que a FUNAI e o INCRA teriam sido tomados por esquemas de corrupção e ações truculentas, que resultaram na judicialização de quase todas as suas decisões quanto à demarcação de terras ou desapropriação de áreas.

“Após ampla análise do vasto conteúdo probatório, não restam dúvidas de que os equívocos de políticas pretéritas têm servido de escudo a um falso discurso protecionista, a esconder interesses escusos, que vão desde o enriquecimento pessoal à mitigação da soberania, passando pela publicização e coletivização da propriedade privada, bem como pela subjugação socioeconômica como instrumento de manutenção do poder”, afirma Nilson Leitão, em seu relatório.

O relatório também traz duras críticas a organizações socioambientais que apresentam-se como defensoras de direitos de “povos tradicionais” e populações rurais: “Para esconder o desvio de recursos públicos e a gestão em benefício próprio de milhões de dólares que ingressam de entidades e governos estrangeiros, muitos dos que dizem proteger o indígena, na prática, prejudicam e impedem o alcance da efetiva dignidade pelas próprias comunidades indígenas.”

A partir das acusações apontadas pela CPI, cabe à Polícia Federal ou Ministério Público avançar nos casos. Por meio de nota, o secretário executivo do CIMI, Cleber Buzatto, afirmou que a CPI da FUNAI-INCRA foi criada, conduzida e relatada por ruralistas estritamente para atender os interesses do agronegócio.

O relatório inclui depoimentos da presidente do Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro, Helderli Castro, e de outros mestiços, denunciando práticas indigenistas contra mestiços, inclusive visando fazê-los “virar” índios. Leão Alves, coordenador do Fórum Nacional do Mestiço (FNM), comentou que o indigenismo é contra mestiçagem e que os jesuítas, desde a época colonial, tinham dificuldade de dominar os mestiços e preferiam os índios, dificultando que aprendessem português para que ficassem sempre como intermediários deles, recebendo patrocínio. O relatório também registra, entre outras, a ameaça de limpeza étnica contra mestiços em Autazes e Careiro da Várzea (AM) por ação da FUNAI.

Reunião com ministro da Justiça

Audiência com o ministro da Justiça, Osmar Serraglio.

No mesmo dia, à tarde, a presidente do Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro, Helderli Castro, participou conjuntamente com o presidente da Associação de Pequenos Agricultores de Ilhéus, Una e Buerarema (ASPAIUB) e representante do Nação Mestiça na BA, Abiel Silva, do deputado federal Claudio Cajado (DEM-BA), e com a presença de outras lideranças e autoridades, de audiência com o ministro da Justiça, Osmar Serraglio.

Na audiência, a presidente entregou ao ministro Osmar Serraglio ofício onde denuncia o desrespeito pela FUNAI de legislações que reconhecem o direito originário do Povo Mestiço à terra, e solicita, entre outras, a anulação de portarias irregulares publicadas em 2016, durante o governo petista, que colocam sob risco de expulsão o Povo Mestiço dos municípios de Autazes e Careiro da Várzea.

Também estiveram presentes à audiência o vereador Geraldo Aragão, de Buerarema (BA), autor do PL que insituiu o Dia do Mestiço no município, o presidente do Sindicato Rural de Ilhéus (BA), Milton Andrade, o procurador do Estado do RS, Rodinei Candeia, e Leão Alves, coordenador do Fórum Nacional do Mestiço (FNM).

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam