Skip to content


Você é pardo e foi discriminado nas cotas raciais? Relate o seu caso

Pardo é uma palavra usada pelo IBGE para referir-se a qualquer mestiço, não importando a cor ou outra característica de aparência. O Partido dos Trabalhadores (PT) – uma legenda de brancos e negros contrária a mestiçagem -, com outras organizações e movimentos negristas, conseguiu, porém, aprovar uma lei que classifica todos os pardos como “negros” e tem sido autor de outras leis, projetos de lei e medidas para intimidar e excluir pardos que se candidatam às cotas raciais no ensino e nos empregos. Relate aqui o seu caso de discriminação. Não é necessário identificar-se.

Os relatos aqui postados poderão vir a ser republicados neste site como artigo; ao postar aqui você está autorizando esta republicação.

Este site se reserva o direito de não publicar e de excluir relatos e postagens que considere ilegais, impróprios, de origem e autoria duvidosas ou por outros motivos segundo sua análise e julgamento. Para reclamações e denúncias relativas a esta página entre em contato conosco.

Posted in Casos e relatos de exclusão de mestiços, Cotas.


3 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Pedro S. says

    o concurso pra diplomata estah cheio de situacoes assim… no primeiro ano em que cotas valeram em 2015 varios pardos foram denunciados no MP por supostamente estar fraudando o sistema de cotas. soube que um candidato ou candidata, acho que era uma mulher foi acusado de ser branco na acao do MPU mas reconhecido como negro pelo comite de raça do Itamarati… na hora de criar a lei e amealhar 20 % das vagas consideraram pardos como negros, agora querem que soh pretos sejam considerados negros, entao diminui as cotas para 7 % que eh o percentual de pretos declarados no brasil e soh deixa para pretos retintos. a merda eh que pardos tambem sao discriminados, as vezes ateh mais que pretos, porque a maioria esmagadora dos vagabundos de favela eh pardos, nao pretos…

  2. Magno Antonio Correia de Mello says

    Por favor, precisamos contatá-los imediatamente. Minha filha parda não tem apenas sido discriminada no mais recente concurso para diplomatas. Tem sido vitimada por fraudes e abusos os mais distintos! Peço-lhes que me contatem o mais cedo possível, porque há um grupo estabelecido no Itamaraty, ligado a uma instituição que vocês devem conhecer, a Educafro, para o qual pardos que não se vinculam a essa organização não têm direito à política de cotas. Esse grupo se instalou em um comitê criado no Ministério, chamado “Comitê Gestor de Gênero e Raça”, e patrocinou todo tipo de abuso, com ajuda do Ministério Público e da AGU. Nosso caso é escandaloso e mais do que urgente. Vocês verão se nos procurarem em que pé hediondo está a coisa.

  3. Anônimo says

    AS universidades têm denunciados os pardos que se assumiram como tal para ocuparem as vagas nas cotas Preto, Pardo e Indígena. O movimento negro não só não aceita o pardo, como também criminaliza sua presença e os retira a qualquer tempo da faculdade, sob processos administrativos e criminais. Tá uma situação bem absurda!



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam