Skip to content


Jornalista gringo defende que gringos não sejam chamados de gringos pelos “idiotas da aldeia” – Leão Alves

gringo-630x286

Segundo matéria publicada no site da BBC Brasil, o jornalista esportivo Tim Vickery defendeu que a palavra ‘gringo’ não seja mais utilizada pelos brasileiros. Segundo ele, o jornalista que emprega o termo deveria ser condenado a assistir repetidamente a gravação do desfile dos atletas na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos:

“A gravação só pararia quando ele finalmente deixasse de ser o idiota da aldeia e descobrisse que a humanidade é feita de diversidade, de mais de 200 nações, e que a realidade é muito mais complexa e gostosa do que uma simples divisão entre brasileiros e ‘não brasileiros’.”

O colunista considera que “a maneira como se usa a palavra tem suas raízes no fascismo da década de 30”, fazendo alusão ao governo de Getúlio Vargas, o primeiro presidente do Brasil a ter sobrenome de gringo e que empreendeu uma política de nacionalização de imigrantes motivada, entre outras, por aversão racista de muitos deles à sociedade brasileira a qual consideravam inferior por ser mestiça.

Para o jornalista, o Brasil também não teria identidade nacional própria, mas sim seria um “país de imigração”:

“Falar em ‘brasileiro’ tem muito mas a ver com profissão do que com nacionalidade; trata-se de alguém que chegou aqui para explorar o pau-brasil. O que quer dizer que, com a exceção dos povos indígenas, gringos são sua mãe, sua avó, sua bisavó…” [sic]

Que o jornalista não goste da palavra gringo é direito dele, mas os que não vêem problema algum com a palavra não têm porquê para deixar de usá-la, inclusive para referirem-se aos seus ancestrais gringos.

Tentativa de censura moral ao uso de palavras por uma população local também traz um ranço de imperialismo. Impor seus valores e moral aos nativos é algo que sempre acompanha conquistas políticas. No momento atual, tem sido muito utilizada pelo globalismo esquerdista e neoliberal para fazer com que os nacionais não se sitam em casa.

Identidade nacional brasileira

Diferentemente de países de colonização anglo-saxã, a identidade nacional brasileira não foi formada pela segregação racial e étnica, mas sim pela mestiçagem entre índios que viviam no que viria a ser o Brasil, conquistadores portugueses e pretos africanos trazidos pelo escravismo. Quando o Brasil deixou oficialmente de ser colônia de Portugal e tornou-se sede de um Reino Unido, a sua identidade nacional já estava formada por uma população majoritariamente mestiça.

Fascismo imigrantista

Embora a maioria dos gringos ficasse muito feliz em vir morar no Brasil e passasse a se integrar , convivendo e mesmo casando com nacionais, outros não tinham o mesmo ânimo nem gratidão. Por não fazerem parte da identidade nacional brasileira e avessos à integração pela mestiçagem, muitos dos imigrantes europeus, que começaram a chegar ao Brasil em grande número cerca de meio século após a independência, tentaram refundar o Brasil como multiétnico e até multinacional, com o macabro objetivo de se tornarem uma casta governante. Outros “optaram” pelo separatismo. Giuseppe Garibaldi, um nacionalista branco italiano foi um dos primeiros a aportar no Brasil nesta época, tornando-se um dos líderes do movimento separatista farroupilha, no Rio Grande do Sul. Depois de fracassar em dividir o país dos outros, voltou à Itália onde unificou o país dele.

Sendo mais fácil mudar o Estado do que a Nação, o projeto foi sufocado por muitos anos, mas esta ideologia anti-brasileira ganhou força a partir dos anos de 1980 financiada e promovida por grupos e partidos globalistas e pela ONU e passou a ser implantada de forma fascista na legislação do país por multiculturalistas, em sua maioria comunistas e neoliberais.

Atacar a mestiçagem em países em que esta faz parte da identidade nacional (como ocorre na maioria dos países latino-americanos) e estimular novas imigrações – acusando os nacionais de serem xenófobos – são meios de debilitar a identidade nacional destes países e, assim, promover o separatismo e o enfraquecimento da democracia e de suas soberanias nacionais. Na Europa o discurso tem uma pequena, mas significativa mudança: a miscigenação é incentivada, mas de modo que seja pulverizadora, não integradora, a fim de não ocorrer o fortalecimento da identidade nacional pela mestiçagem.

Origem

Quanto à origem da palavra gringo, que significa estrangeiro, é controversa. Poderia derivar de “green, go home!” (verdes, vão pra casa!) ou “green coat”, que soldados do México empregariam em referência aos soldados dos EUA, de fardamento esverdeado, durante a guerra entre os dois países. Outra hipótese diz que é anterior: seria uma variante castelhana de ‘griego’, grego, significando estrangeiro e em referência a qualquer idioma difícil de entender.

Leão Alves é médico e ex-presidente do Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro (Nação Mestiça).

Posted in Artigos, Imigrantismo, Leão Alves, Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam