Skip to content


Dilma mandou matar seu cão Nego gerando revolta

dilma-e-nego-600x314

Em seus preparativos para deixar o Palácio da Alvorada, residência dos presidentes da República do Brasil, a ex-presidente Dilma Rousseff, que teve seu mandato cassado por impeachment, mandou matar seu cão Nego, causando polêmica e manifestações de repúdio na população. O nome do cão, um labrador de cor preta, significa negro e é empregado para referir-se a pretos africanos e seus descendentes desta raça.

O cão pertenceu anteriormente ao ex-deputado e chefe da Casa Civil, José Dirceu, que, como Dilma, é branco, comunista e do Partido dos Trabalhadores (PT), estando cumprindo pena por envolvimento num famoso caso de corrupção. Nego apareceu nas propagandas eleitorais da ex-presidente.

A notícia publicada por um jornalista foi ganhando repercussão crescente. Embora outros informativos afirmassem que o cachorro havia ficado com um assessor em Brasília por motivos de saúde que impediriam que viajasse à cidade de Porto Alegre, no Sul do país, onde a ex-presidente pretende residir, diversas pessoas nas redes sociais cobravam provas de que o animal ainda estivesse vivo. A dúvida foi sepultada por uma nota da assessoria de imprensa de Dilma Rousseff, publicada no dia 12 de setembro, na qual é afirmado que esta que mandou matar o cão por recomendação veterinária.

Não houve manifestações de protesto ou repúdio por organizações defensoras dos animais nem por movimentos negros, usualmente aliados de agendas de esquerda. O PT defende a imposição da identidade negra a mestiços.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam