Skip to content


Gilberto Freyre e o Mestiço – Leidyane Vasconcelos

Gilberto Freyre, um dos mais importantes sociólogos brasileiros, nasceu em 1900 e faleceu em 1987. Aos 80 anos, começou uma história para ser lembrada, ao se tornar um opositor do racismo, pois aprendeu a distinguir entre raça e cultura (nos sentidos antropológicos). E dentro desse contexto há um importante fator que deve ser levado adiante: Freyre foi um defensor da miscigenação e não devemos esquecer que para ele os mestiços foram uma herança cultural.

Freyre não considerava a miscigenação como um problema para o Brasil, mas sim uma das maiores vantagens. Isso porque ela formava a identidade nacional e protegia a nação de conflitos raciais e étnicos. O opositor Freyre foi acusado muitas vezes de defender o embranquecimento para uma suposta democratização racial, mas ao contrário disso como já foi argumentado, para ele os mestiços foram uma maneira de herança herdada para o nosso país. Afinal, o Brasil é formado de várias cores. Convenceu-se de que todo brasileiro, mesmo de cabelo louro, traz na alma ou no corpo uma sombra do mestiço. Ele procurou mostrar em suas obras a interpretação brasileira nos explicando a realidade do nosso Brasil. Trouxe de seus livros para a nação brasileira um país que não conhecíamos.

O livro “Casa Grande e Senzala” foi lançado no mesmo ano em que o Brasil atribuía a razão do atraso à mestiçagem já que muitos defendiam o embranquecimento do povo. Enquanto Gilberto argumentava que ser mestiço era bom. Neste livro deixou bem claro que miscigenação era a mistura de cores. Uma obra que levantou elogios como o de Darcy Ribeiro, que afirmou ter sido o melhor livro brasileiro que foca a importância da vida colonial.

A partir dos argumentos articulados, concluímos que Freyre foi o primeiro a valorizar o negro e a cultura afro-brasileira em 1933. A obra “Casa Grande e Senzala” denominou mudanças com uma verdadeira revolução ao valorizar o mestiço.

A idéia repassada é de que somos uma mesma humanidade, seja qual for a tez da pele.

Leidyane Vasconcelos é aluna da 2ª série do Ensino Médio da Escola Estadual Homero de Miranda Leão, de Manaus (AM). Esta redação foi a 1ª colocada no concurso de redação promovido pelo Nação Mestiça e Secretaria Estadual de Educação do Amazonas (SEDUC) dentre os eventos comemorativos do Mês do Mestiço e do Caboco de 2010.

Posted in Português, Redações.

Tagged with , .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam