Skip to content


O golpe petista – Leão Alves

Os petistas votam em Michel Temer para substituir a Dilma e depois dizem que é golpe Michel Temer substituir a Dilma. Alguém foi enganado.

Para que serve um vice-presidente? Serve para substituir presidente. Serve também para receber um bom salário, morar num palácio, fazer pontes políticas e dar entrevistas e palestras, mas sua função mesmo é substituir presidente.

O PT foi à TV, imprimiu panfletos, distribuiu adesivos, fez musiquinhas, comícios, carreatas, fez muito barulho para enfaticamente pedir ao povo que votasse em Michel Temer para vice-presidente. Não faltaram militantes chamando de coxinhas, alienados e de elite branca até os pretos e mestiços que preferiram não votar no candidato a vice-presidente deles. Considerando a votação do impeachment da Dilma na Câmara dos Deputados, provavelmente nem o peemedebistas votaram tanto no Temer quanto os petistas.  Eles mesmos votaram nele.

Imaginando que o PT tenha agido de boa fé, ou seja, pensando no bem-estar do povo, é de se concluir que o partido não iria indicar para o povo alguém que não estivesse capacitado para exercer o cargo de presidente de modo benéfico para este mesmo povo. Do contrário, teria o PT indicado conscientemente para os eleitores alguém desqualificado para a função de presidente?  Um gato teria sido dado por lebre?

Quando se vê agora petistas esbravejando contra a possibilidade de Michel Temer chegar à presidência, nosso coração é fustigado por uma dolorosa dúvida: ou os petistas são uns inomináveis que oferecem para possivelmente presidir povo alguém que eles detestariam ter como presidente – da mesma forma que um mau verdureiro que tenta vender um repolho que ele jamais teria coragem de comer –, ou são uns incompetentes que não sabem escolher candidato a vice-presidente. No primeiro caso, ao se retorcerem e se inflamarem contra uma presidência Temer, estariam provando o gosto da própria poção, e aproveitando para gritar bem alto, como um esperto acuado pego em flagrante.

Mas o petismo tem sempre a capacidade de mais alto e além quando se trata de mudar as regras quando convém a ele e já está propondo novas eleições antes do encerramento dos mandatos de Dilma e de Temer. Não gaste a inteligência tentando encontrar alguma coerência; é só petismo mesmo.

Homenageando terroristas

Durante a votação do processo de demissão da presidente petista Dilma Rousseff, o deputado Valmir Assunção, do Partido dos Trabalhadores (PT), votando contra o impeachment da presidente, dedicou seu voto aos terroristas Carlos Marighella e Carlos Lamarca, este acusado de ter participado do assassinato que afundou a coronhadas o crânio do Tenente Alberto Mendes Júnior e de outros crimes. Marighella também foi homenageado por diversos deputados de esquerda durante seus votos contra o impeachment da presidente petista.

A mídia esquerdista, porém, preferiu destacar a homenagem feita pelo deputado Jair Bolsonaro (PSC) ao Coronel Carlos Ustra. Durante seu voto, Bolsonaro afirmou que o coronel era “o pavor de Dilma”. Em seu depoimento à denominada Comissão Nacional da Verdade, Ustra acusou Dilma de ter pertencido a organizações terroristas e tentado implantar o comunismo no Brasil.

Dilma cria mais um bantustão

Antes de ir embora, Dilma deixa sua nova contribuição ao apartheid: homologou a demarcação da denominada “Terra Indígena (TI)” Cachoeira Seca, localizada na região Oeste do Pará. O decreto com a decisão, assinado por Dilma e publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (5), inclui uma área de 733.688 hectares para uma população de 105 índios pertencentes ao grupo Arara, com limpeza étnica do povo mestiço – que, é bom sempre lembrar, é nativo e foi gerado pelos próprios índios originais.

A criação do novo bantustão é mais uma ação racista indigenista que une líderes brancos comunistas e magnatas neoliberais visando dividir o povo brasileiro em territórios étnicos e raciais a fim de evitar a mestiçagem, eliminar o povo mestiço e enfraquecer a identidade nacional e a soberania brasileira. Outras ações têm sido incentivar imigração e impor aos mestiços a identidade negra. Órgãos das Nações Unidas, sob a ação destes grupos, têm colaborado com políticas anti-mestiças no Brasil e em outros países da América Latina.

Conferência repudia presidente da FUNAI

A 4ª Conferência Municipal da Cidade de Manaus, encerrada no dia 7 desse mês, aprovou moção de repúdio contra o presidente da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), João Pedro, pela política de limpeza étnica da fundação contra o povo mestiço e caboclo. A conferência é etapa da 6ª Conferência Nacional das Cidades.

O presidente da FUNAI, que é ex-senador pelo PT do AM, havia já sido repudiado pela Conferência Estadual de Direitos Humanos do Amazonas por motivo semelhante. A política indigenista, que tem no PT o seu principal apoio político, tem causado o sofrimento de milhares de famílias amazonenses e de outros brasileiros.

Leão Alves é médico e ex-presidente do Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro (Nação Mestiça).

Leia este e outros artigos no Portal do Zacarias.

Posted in Artigos, Destaques, Leão Alves, Petismo, Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam