Skip to content


ASPAIUB e Nação Mestiça lançam nota em apoio à polícia e poder judiciário por prisões em conflito no sul da BA

NOTA
A Associação de Pequenos Agricultores de Ilhéus, Una e Buerarema – ASPAIUB e o Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro / Bahia – Nação Mestiça, vêm a público manifestar seu total e irrestrito apoio às autoridades policiais e judiciárias pela prisão do individuo Rosivaldo Ferreira da Silva, que se autodenomina cacique babau e seu irmão, José Aelson Jesus da Silva.
É público e notório o Estado de Exceção que vivemos na Zona Rural de nossa Região, por conta de uma milícia estruturada para aterrorizar e saquear pequenas propriedades familiares, construídas a base de suor de varias gerações; é publico e notório, também, que decisão judicial nada vale para esses elementos, que contam com o apoio de órgãos públicos que deveriam zelar pela lei.
É com pesar que lamentamos a posição de comissões ditas de direitos humanos, que se prestam a fazer um papel deplorável de defesa de Rosivaldo e seu irmão, que são apontados, em registros nas Policias Federal e Civil, como autores ou mandantes da tentativa de assassinato, ocorrida em 2010, logo após uma reintegração de posse, com quatro agricultores baleados, e vários espancados. São acusados também de participação direta ou como mandante da tentativa de assassinato que resultou na paraplegia de um agricultor, e no assassinato do líder do Assentamento de Reforma Agrária Ipiranga, Juraci Santana. Rosivaldo, seus irmãos e seguidores são denunciados em centenas de Boletins de Ocorrências como responsáveis por outros crimes, entre os quais: tortura, cárcere privado, estupro, ameaça de morte, saques, incêndio proposital de instalações e residência rurais, roubo de animais, da produção e de equipamentos, depredação/delapidação de propriedades, formação de quadrilha, agressão de agentes públicos e disparos contra instalações de segurança.
A mesma atenção e proteção não foi oferecida aos milhares de agricultores expulsos de suas residências/propriedades, sob a mira de armas de fogo de grosso calibre, de uso restrito, inclusive, e que hoje estão a mercê da sorte, vivendo em miséria plena.
Denunciamos e repudiamos, com veemência, a posição do CIMI, que se alimenta do sangue e do suor de pequenos agricultores familiares, por eles tratados como latifundiários e coronéis, ao ocultar os fatos, e olhar a pessoa humana apenas sob um prisma, fortalecendo o racismo e apartheid entre irmãos. O Conselho é um dos responsáveis, ainda, com essa atitude, para o estado de penúria e indigência que vivem os verdadeiros indígenas brasileiros, que têm os recursos financeiros a eles destinados, utilizados para sustentar a farsa indigenista sulbaiana.
As Instituições signatárias confiam que o Judiciário, em cumprimento ao seu papel meritório de salvaguardar as garantias constitucionais e zelar pelas leis, levará os mencionados indivíduos aos tribunais, para que sejam julgados pelos crimes de que são acusados, e que a Justiça seja feita, como impõe o Estado de Direito, dando fim ao Império da Anarquia, que se instalou na região, sob o beneplácito de um órgão público, a FUNAI, em detrimento da paz e do progresso que caracterizava o mundo rural sulbaiano.
Associação de Pequenos Agricultores de Ilhéus, Una e Buerarema – ASPAIUB
Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro / Bahia – Nação Mestiça

Apresentação1

NOTA

A Associação de Pequenos Agricultores de Ilhéus, Una e Buerarema – ASPAIUB e o Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro / Bahia – Nação Mestiça, vêm a público manifestar seu total e irrestrito apoio às autoridades policiais e judiciárias pela prisão do individuo Rosivaldo Ferreira da Silva, que se autodenomina cacique babau e seu irmão, José Aelson Jesus da Silva.

É público e notório o Estado de Exceção que vivemos na Zona Rural de nossa Região, por conta de uma milícia estruturada para aterrorizar e saquear pequenas propriedades familiares, construídas a base de suor de varias gerações; é publico e notório, também, que decisão judicial nada vale para esses elementos, que contam com o apoio de órgãos públicos que deveriam zelar pela lei.

É com pesar que lamentamos a posição de comissões ditas de direitos humanos, que se prestam a fazer um papel deplorável de defesa de Rosivaldo e seu irmão, que são apontados, em registros nas Policias Federal e Civil, como autores ou mandantes da tentativa de assassinato, ocorrida em 2010, logo após uma reintegração de posse, com quatro agricultores baleados, e vários espancados. São acusados também de participação direta ou como mandante da tentativa de assassinato que resultou na paraplegia de um agricultor, e no assassinato do líder do Assentamento de Reforma Agrária Ipiranga, Juraci Santana. Rosivaldo, seus irmãos e seguidores são denunciados em centenas de Boletins de Ocorrências como responsáveis por outros crimes, entre os quais: tortura, cárcere privado, estupro, ameaça de morte, saques, incêndio proposital de instalações e residência rurais, roubo de animais, da produção e de equipamentos, depredação/delapidação de propriedades, formação de quadrilha, agressão de agentes públicos e disparos contra instalações de segurança.

A mesma atenção e proteção não foi oferecida aos milhares de agricultores expulsos de suas residências/propriedades, sob a mira de armas de fogo de grosso calibre, de uso restrito, inclusive, e que hoje estão a mercê da sorte, vivendo em miséria plena.

Denunciamos e repudiamos, com veemência, a posição do CIMI, que se alimenta do sangue e do suor de pequenos agricultores familiares, por eles tratados como latifundiários e coronéis, ao ocultar os fatos, e olhar a pessoa humana apenas sob um prisma, fortalecendo o racismo e apartheid entre irmãos. O Conselho é um dos responsáveis, ainda, com essa atitude, para o estado de penúria e indigência que vivem os verdadeiros indígenas brasileiros, que têm os recursos financeiros a eles destinados, utilizados para sustentar a farsa indigenista sulbaiana.

As Instituições signatárias confiam que o Judiciário, em cumprimento ao seu papel meritório de salvaguardar as garantias constitucionais e zelar pelas leis, levará os mencionados indivíduos aos tribunais, para que sejam julgados pelos crimes de que são acusados, e que a Justiça seja feita, como impõe o Estado de Direito, dando fim ao Império da Anarquia, que se instalou na região, sob o beneplácito de um órgão público, a FUNAI, em detrimento da paz e do progresso que caracterizava o mundo rural sulbaiano.

Associação de Pequenos Agricultores de Ilhéus, Una e Buerarema – ASPAIUB

Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro / Bahia – Nação Mestiça

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam