Skip to content


Presidente da CPI do CIMI diz que vai recorrer a todas as instâncias para manter investigação

A deputada estadual Mara Caseiro (PMB), presidente da CPI do Cimi (Conselho Indigenista Missionário), afirmou nesta tarde (1º) que vai recorrer a todas as instâncias possíveis para reverter a decisão do juiz da 4ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande, Pedro Pereira dos Santos, que determinou a suspensão dos trabalhos.
Ele considerou legítimo o pedido da DPU (Defensoria Pública da União) em uma ação civil pública impetrada em favor das comunidades indígenas. Em sua decisão, o juiz alegou que a Assembleia Legislativa extrapolou seu raio de competência para legislar, que é apenas dentro do estado de Mato Grosso do Sul.
Mara Caseiro se reuniu hoje à tarde com o presidente da Casa, Júnior Mochi (PMDB), e com o relator da CPI, deputado Paulo Corrêa, para tomar tal decisão.
“Estamos indignados com a suspensão da CPI. Nós não estamos buscando aqui na Assembleia legislar sobre demarcação de terras indígenas, não é esse nosso foco. O que queremos é averiguar se o Cimi hoje incita e financia essas invasões em propriedades particulares, mesmo porque essas invasões têm trazido uma insegurança jurídica enorme ao nosso Estado. Queremos resgatar o bem estar e a segurança dos cidadãos do nosso Estado, e por isso vamos recorrer a todas as instâncias para manter as investigações”, declarou.
Para ela, a decisão também é equivocada porque o bloqueio dos trabalhos da CPI já é objeto de mandado de segurança que tramita no Tribunal de Justiça, órgão que tem competência estadual de atuação.
“Há um conflito de jurisdição evidente. Se o Tribunal de Justiça foi o primeiro a conhecer a questão e é ele competente para acompanhar esse caso, não pode um juiz federal isoladamente fazer essa intervenção. Isso fere nossa liberdade de atuação. Nossa assessoria jurídica já está analisando as medidas cabíveis a serem adotadas para garantir o nosso direito de trabalhar, apurar as denúncias que nos chegaram. Se nós deputados não tivermos esse direito de apuração, fica muito prejudicada a nossa representatividade popular”, disse.
Para Mara Caseiro, a CPI está trabalhando com transparência, com amparo jurídico, e dentro da legalidade, ou seja, não há motivos claros para suspender os trabalhos.

Mara Caseiro conversa com o presidente da Assembleia sobre as medidas que a Casa tomará para reverter a decisão (Foto: Roberto Higa)

A deputada estadual do Mato Grosso do Sul, Mara Caseiro (PMB), presidente da CPI do CIMI (Conselho Indigenista Missionário), afirmou nesta tarde (1º),  segundo o seu site, que vai recorrer a todas as instâncias possíveis para reverter a decisão do juiz da 4ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande, Pedro Pereira dos Santos, que determinou a suspensão dos trabalhos.

Ele considerou legítimo o pedido da DPU (Defensoria Pública da União) em uma ação civil pública impetrada em favor das comunidades indígenas. Em sua decisão, o juiz alegou que a Assembleia Legislativa extrapolou seu raio de competência para legislar, que é apenas dentro do estado de Mato Grosso do Sul.

Mara Caseiro se reuniu hoje à tarde com o presidente da Casa, Júnior Mochi (PMDB), e com o relator da CPI, deputado Paulo Corrêa, para tomar tal decisão.

“Estamos indignados com a suspensão da CPI. Nós não estamos buscando aqui na Assembleia legislar sobre demarcação de terras indígenas, não é esse nosso foco. O que queremos é averiguar se o CIMI hoje incita e financia essas invasões em propriedades particulares, mesmo porque essas invasões têm trazido uma insegurança jurídica enorme ao nosso Estado. Queremos resgatar o bem estar e a segurança dos cidadãos do nosso Estado, e por isso vamos recorrer a todas as instâncias para manter as investigações”, declarou.

Para ela, segundo o site, a decisão também é equivocada porque o bloqueio dos trabalhos da CPI já é objeto de mandado de segurança que tramita no Tribunal de Justiça, órgão que tem competência estadual de atuação.

“Há um conflito de jurisdição evidente. Se o Tribunal de Justiça foi o primeiro a conhecer a questão e é ele competente para acompanhar esse caso, não pode um juiz federal isoladamente fazer essa intervenção. Isso fere nossa liberdade de atuação. Nossa assessoria jurídica já está analisando as medidas cabíveis a serem adotadas para garantir o nosso direito de trabalhar, apurar as denúncias que nos chegaram. Se nós deputados não tivermos esse direito de apuração, fica muito prejudicada a nossa representatividade popular”, disse.

Para Mara Caseiro, a CPI está trabalhando com transparência, com amparo jurídico, e dentro da legalidade, ou seja, não há motivos claros para suspender os trabalhos.

Informações do site Deputada Mara Caseiro.

Posted in Apartheid no Brasil, Destaques, Português, Verwoerdismo | Indigenismo.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam