Skip to content


Médicos formados no Amapá estão desempregados

O Sindicato dos Médicos diz que a contratação, pelo governo federal, de médicos estrangeiros pode ser a causa
ANDRÉ SILVA E CÁSSIA LIMA
Os primeiros médicos formados no Amapá enfrentam o martírio do desemprego. É isso mesmo. Por incrível que pareça, pelo menos 20 dos 24 profissionais que se formaram no ano passado pela Universidade Federal do Amapá (Unifap) continuam sem emprego. Isso, segundo o Sindicato dos Médicos do Amapá, é atual realidade em todo o Brasil, que historicamente se ressentiu da falta de médicos.
Esses profissionais são conhecidos como clínicos gerais ou generalistas. Ao passar pelos seis anos da academia, o estudante ainda tem que se especializar. Tanto a rede pública quanto a rede particular têm maior necessidade por especialistas. Mas a iniciativa do governo federal em contratar médicos cubanos, segundo o sindicato, tem tirado a vaga de profissionais brasileiros em várias partes do país, e agora no Amapá.
O Conselho Regional de Medicina diz que no Amapá existe um médico para cada grupo de três mil pessoas
O Conselho Regional de Medicina diz que no Amapá existe um médico para cada grupo de três mil pessoas
“O que ocorreu foi a substituição de médicos que atuavam na saúde da família, por outros profissionais do programa Mais Médicos, do governo federal. Os médicos que foram substituídos se sentiram prejudicados com isso”, explicou a presidente do Sindicato dos Médicos do Amapá (Sindmed), Helen Melo.
No país, segundo a presidente do Sindmed, existe má distribuição dos profissionais de saúde. Enquanto em uma determinada região tem um médico para 300 habitantes, como é o caso de Brasília, aqui no Amapá esse número chega a um médico para cada três mil habitantes.
Helen Melo, presidente do Sindicato dos Médicos
Helen Melo, presidente do Sindicato dos Médicos: má distribuição dos profissionais no País
Dos médicos formados pela Unifap, apenas um garantiu vaga no Amapá e foi um contrato temporário com a prefeitura do município de Porto Grande, a 105 quilômetros de Macapá. Outros três profissionais estão trabalhando no Estado do Maranhão, de onde são oriundos. Os demais esperam chamada para o município de Macapá e o Estado por meio de contrato emergencial que tem previsão de sair em maio.
“Não temos certeza de trabalho. Só temos esperança de que o Estado e a prefeitura abram contratação para nós trabalharmos. Sabemos que a falta é para especialistas, mas tem uma pequena carência de clínicos gerais. O problema é que temos dificuldade de acesso por causa do decreto do governo federal e do programa Mais Médicos”, destacou um recém-formado que não quis se identificar.
Existe a possibilidade do município abrir vagas para a saúde básica
Existe a possibilidade do município abrir vagas para a saúde básica
As reclamações chegaram ao Sindicato dos Médicos e ao Conselho Regional de Medicina (CRM), que já providenciaram um documento pedindo que o município aproveite esses profissionais. A saída, segundo Helen Melo, seria a não renovação dos contratos com os profissionais do programa Mais Médicos, já que os formados aqui no Amapá atuariam da mesma forma, ou seja, na saúde básica.
O programa Mais Médicos já mandou para o Amapá cerca de 130 profissionais que atuam na saúde básica em vários municípios. Mesmo assim, o Estado tem apenas 550 profissionais para mais de 700 mil habitantes. Ou seja, faltam médicos para a população.

charge-dilma-e-os-mc3a9dicos-cubanos

O Sindicato dos Médicos diz que a contratação, pelo governo federal, de médicos estrangeiros pode ser a causa

André Silva e Cássia Lima

Os primeiros médicos formados no Amapá enfrentam o martírio do desemprego. É isso mesmo. Por incrível que pareça, pelo menos 20 dos 24 profissionais que se formaram no ano passado pela Universidade Federal do Amapá (Unifap) continuam sem emprego. Isso, segundo o Sindicato dos Médicos do Amapá, é atual realidade em todo o Brasil, que historicamente se ressentiu da falta de médicos.

Esses profissionais são conhecidos como clínicos gerais ou generalistas. Ao passar pelos seis anos da academia, o estudante ainda tem que se especializar. Tanto a rede pública quanto a rede particular têm maior necessidade por especialistas. Mas a iniciativa do governo federal em contratar médicos cubanos, segundo o sindicato, tem tirado a vaga de profissionais brasileiros em várias partes do país, e agora no Amapá.

O Conselho Regional de Medicina diz que no Amapá existe um médico para cada grupo de três mil pessoas.

“O que ocorreu foi a substituição de médicos que atuavam na saúde da família, por outros profissionais do programa Mais Médicos, do governo federal. Os médicos que foram substituídos se sentiram prejudicados com isso”, explicou a presidente do Sindicato dos Médicos do Amapá (Sindmed), Helen Melo.

No país, segundo a presidente do Sindmed, existe má distribuição dos profissionais de saúde. Enquanto em uma determinada região tem um médico para 300 habitantes, como é o caso de Brasília, aqui no Amapá esse número chega a um médico para cada três mil habitantes.

Helen Melo, presidente do Sindicato dos Médicos: má distribuição dos profissionais no País.

Dos médicos formados pela Unifap, apenas um garantiu vaga no Amapá e foi um contrato temporário com a prefeitura do município de Porto Grande, a 105 quilômetros de Macapá. Outros três profissionais estão trabalhando no Estado do Maranhão, de onde são oriundos. Os demais esperam chamada para o município de Macapá e o Estado por meio de contrato emergencial que tem previsão de sair em maio.

“Não temos certeza de trabalho. Só temos esperança de que o Estado e a prefeitura abram contratação para nós trabalharmos. Sabemos que a falta é para especialistas, mas tem uma pequena carência de clínicos gerais. O problema é que temos dificuldade de acesso por causa do decreto do governo federal e do programa Mais Médicos”, destacou um recém-formado que não quis se identificar.

Existe a possibilidade do município abrir vagas para a saúde básica.

As reclamações chegaram ao Sindicato dos Médicos e ao Conselho Regional de Medicina (CRM), que já providenciaram um documento pedindo que o município aproveite esses profissionais. A saída, segundo Helen Melo, seria a não renovação dos contratos com os profissionais do programa Mais Médicos, já que os formados aqui no Amapá atuariam da mesma forma, ou seja, na saúde básica.

O programa Mais Médicos já mandou para o Amapá cerca de 130 profissionais que atuam na saúde básica em vários municípios. Mesmo assim, o Estado tem apenas 550 profissionais para mais de 700 mil habitantes. Ou seja, faltam médicos para a população.

De Seles Nafes, 01/2016.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam