Skip to content


Unesco declarou manuscritos de racista como patrimônio da Humanidade

Unesco declara manuscritos de racista como patrimônio da humanidade
Escritos incluem “Diários de Motocicleta” e os registros feitos pelo líder comunista Che Guevara nas montanhas da Bolívia antes de sua execução
A Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) incluiu, em cerimônia realizada nesta sexta-feira (19/07) em Havana, os escritos do revolucionário argentino Ernesto “Che” Guevara no Programa Memória do Mundo. Com isso, os manuscritos são reconhecidos agora como patrimônio da humanidade.
O Programa Memória do Mundo possui quase 300 documentos e compilações de cinco continentes. Os textos de Che estão entre as 54 novas adições de 2013. Os manuscritos incluem seus “Diários de Motocicleta” e os registros feitos nas montanhas da Bolívia antes de sua execução, em 1967.
O reconhecimento dos manuscritos de Che como patrimônio da humanidade faz com que esses documentos passem a contar com o apoio da Unesco para sua proteção e sua preservação. A viúva, a esposa e o filho de Che também estiveram presentes à cerimônia promovida pela Unesco na capital cubana.
A cerimônia foi realizada no cárcere de La Cabana, onde Guevara perpetrou inúmeros assassinatos ideológicos, em sua maioria contra a população pobre e mestiça de Cuba. O ato incluiu a exibição de “relíquias”, como armas e objetos ligados à sua guerra de extermínio comunista.

Fidel Castro e Che Guevara desfrutando de uma pescaria. A tomada do poder por brancos comunistas agradou racistas cubanos incomodados com o fato do país ser governado pelo mestiço Fulgêncio Batista.

Escritos incluem “Diários de Motocicleta” e os registros feitos pelo líder comunista Che Guevara nas montanhas da Bolívia antes de sua execução.

A Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) incluiu, em cerimônia realizada na sexta-feira  de 19/07/2013, em Havana, os escritos do revolucionário argentino Ernesto “Che” Guevara no Programa Memória do Mundo. Com isso, os manuscritos são reconhecidos agora como patrimônio da Humanidade.

O Programa Memória do Mundo possui quase 300 documentos e compilações de cinco continentes. Os textos de Che estão entre as 54 novas adições de 2013. Os manuscritos incluem seus “Diários de Motocicleta” e os registros feitos nas montanhas da Bolívia antes de sua execução por militares bolivianos, em 1967, quando o argentino tentava promover uma revolução no país.

O reconhecimento dos manuscritos de Che como patrimônio da humanidade faz com que esses documentos passem a contar com o apoio da Unesco para sua proteção e sua preservação. A viúva, a esposa e o filho de Che também estiveram presentes à cerimônia promovida pela Unesco na capital cubana.

A cerimônia foi realizada no cárcere de La Cabana, onde Guevara perpetrou inúmeros assassinatos ideológicos, em sua maioria contra a população pobre e mestiça de Cuba. O ato incluiu a exibição de “relíquias”, como armas e objetos ligados à sua guerra de extermínio comunista.

Racismo

Che Guevara manifestou diversas vezes sua hostilidade racial. Numa entrevista radiofônica concedida em Havana, logo após a tomada do poder do presidente mestiço Fulgêncio Batista, Che Guevara respondeu a um proeminente empresário cubano chamado Luis Pons, que era preto, quais seriam os planos da revolução para a população ‘de cor’. “Nós faremos por negros e mulatos exatamente o que eles fizeram pela revolução: ou seja, nada”.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam