Skip to content


FAEA discute criação de reserva em Autazes

Caso a Funai consiga criar as três reservas indígenas em Autazes cerca de 400 propriedades terão de ser desapropriadas, o que pode afetar a produção de leite no município

Uma audiência pública provocada pela Federação da Agricultura do Amazonas (FAEA) discute nesta terça-feira (08), a partir das 14h, no Ginásio Municipal de Autazes (distante 110 quilômetros de Manaus em linha reta), a criação de três reservas indígenas no município.

A reunião vai contar com a participação de representantes da Prefeitura e da Câmara de vereadores, Federação dos Trabalhadores da Agricultura no Amazonas (Fetagri/AM) e moradores das comunidades que serão afetadas caso as reservas sejam criadas.

De acordo com o presidente da FAEA/AM, Muni Lourenço Silva Junior, a expectativa é que cerca de 2 mil pessoas de comunidades como a Novo Céu e Autaz Mirim participem da audiência pública.

Segundo ele, a reunião é uma tentativa de discutir e mostrar que a proposta da Fundação Nacional do Índio (Funai) pode trazer prejuízos para a produção de leite em Autazes, uma vez que, para criar as reservas, será necessário desapropriar quase 400 propriedades.

A FAEA/Am mobilizou cinco balsas para transportar os interessados em participar da reunião, além disso, foram solicitados a presença das polícias militar e federal para conter os ânimos, caso as discussões se intensifiquem e provoquem alguma reação dos povos indígenas que participarão da audiência pública.

De Amazonas Notícias, 07/06/2010.

Posted in Português.

Tagged with , .


2 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Leão says

    Esta sua afirmação de que “Os índios conservaram uma relação de reciprocidade existencial e espiritual com a terra, nós o homem branco e mestiço, a perdemos e substituímos por interesse financeiro e econômico” é preconceituosa com mestiços e também com brancos.

    A maioria da população da Amazônia é formada por mestiços e em 500 anos os mestiços preservaram a flora e fauna dessa região sem qualquer necessidade de serem orientados para isso por organizações ambientalistas do “homem branco” europeu. Salvo rara exceção, os atuais indígenas são miscigenados descendentes também de brancos e grande parte deles (talvez a maioria) não se diferencia culturalmente dos mestiços e dos poucos brancos da Amazônia (inclusive no hábito de ingerir leite e outros alimentos de origem animal). Na Amazônia, como em todo o Brasil, houve profundo sincretismo e intensa miscigenação entre os povos que formaram a Nação. Registro que brancos sempre foram minoria no Norte do país (atualmente, parte deles são religiosos, ativistas e pesquisadores dos EUA e Europa em atuação na região).

    Não sou produtor de leite. No meu pequeno quintal só há espaço para morarem meus gatos e dois cachorros. Não é preciso, porém, ser produtor de leite para ser contra políticas de segregação racial ou étnica. Esta prática de desenhar o conflito num padrão “ricos brancos invasores versus índios” visa apagar as mais numerosas vítimas do processo, as populações pobres expulsas nas “desintrusões”.

    Deve-se lembrar, assim, de algo que esta notícia não citou: que a maioria dessas pessoas que podem ser vítimas de limpeza étnica para a criação de áreas exclusivas para indígenas é formada por pessoas de baixa renda, algumas que vivem com economia de subsistência. Para atender a interesses de governos e determinados grupos de países ricos e extremamente consumidores – em sua maioria com população “branca de verdade” – estas populações mestiças da Amazônia têm sido vítimas de contínuas expulsões que, além de desrespeitarem os direitos originários delas (pois mestiços também são nativos) têm levado muitas pessoas à miséria.

    Não estou afirmando que seja o seu caso, mas quem conhece mesmo um pouco a região sabe que a realidade é bem diferente da que o velho racismo segregacionista e o seu novo imperialismo multiculturalista e mestiçofóbico tenta pintar.

  2. Ana says

    Os índios conservaram uma relação de reciprocidade existencial e espiritual com a terra, nós o homem branco e mestiço, a perdemos e substituímos por interesse financeiro e econômico, eles sabem como cuidar da mãe terra.. por exemplo, aprender a conservar os recursos naturais e recorrermos à sustentabilidade e auto-suficiência e não a geração de lucros cega, se permitirmos aos índios continuarem cuidando da terra, então o bem que estaremos fazendo por este planeta vai trazer uma substituição para o vosso trabalho de cultura do leite. E posso contar inúmeros malefícios do leite. Há culturas alternativas ao leite para hábitos mais saudáveis. O leite é responsável por inúmeras doenças decorrentes dos nosso hábitos alimentares com base em alimentação animal. E é importante aprender que a cultura alimentar é sobrevalorizada, tanto quanto a cultura do valor monetário, lucro.
    Este sistema de vida civilizado tem os dias contados.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam