Skip to content


Como recepcionar imigrantes em tempos de petismo

COMO RECEPCIONAR IMIGRANTES NESTES TEMPOS DE PETISMO
Nesta época em que o racismo petista tenta acabar com o povo mestiço brasileiro, inclusive repetindo a tática de promover imigração adotada nos séc. XIX e XX, esta mensagem de Sir Henri Charles Wilfrid Laurier, primeiro-ministro da Canadá de 1896 a 1911, é uma orientação especialmente salutar para os que defendem a identidade mestiça da Nação brasileira – forjada na mestiçagem entre povos índios, brancos portugueses e pretos africanos – contra o multiculturalismo:
“Em primeiro lugar temos de insistir que o imigrante que vem aqui está disposto a tornar-se um canadense e está disposto a assimilar nossas maneiras, ele deve ser tratado de formas iguais e seria vergonhoso discriminar uma pessoa por motivos de suas crenças ou lugar de nascimento ou de origem. Mas é da responsabilidade da pessoa tornar-se um canadense em todos os aspectos da vida, nada mais que um canadense. Não pode haver nenhuma lealdade dividida aqui. Qualquer homem que diz que ele é canadense, mas tenta impor seus costumes e hábitos em cima de nós, não é um canadense. Temos espaço para apenas uma bandeira, a bandeira canadense. Há espaço para apenas duas línguas, inglês e francês. E nós temos espaço para lealdade, mas apenas uma, lealdade para com o povo canadense. Não aceitaremos ninguém, digo ninguém, que vá tentar impor a sua religião ou seus costumes sobre nós”.
Ou seja, o imigrante deve se adaptar à Nação e não a Nação ao imigrante da mesma forma que a visita deve seguir as regras do anfitrião e não o contrário.
Numa Nação mestiça a regra é bem simples: “Quer se misturar com os nativos para aprender nossa cultura e se integrar completamente à Nação brasileira? Seja bem vindo. Não gosta dos brasileiros e quer se isolar para criar um território para sua cultura e sua raça contra a nossa mestiçagem? Seu país é um lugar muito bom para você voltar”.

Sir Henri Charles Wilfrid Laurier, primeiro-ministro da Canadá de 1896 a 1911.

Nesta época em que o racismo petista tenta acabar com o povo mestiço brasileiro, inclusive repetindo a tática de promover imigração adotada nos séc. XIX e XX, esta mensagem de Sir Henri Charles Wilfrid Laurier, primeiro-ministro da Canadá de 1896 a 1911, é uma orientação especialmente salutar para os que defendem a identidade mestiça da Nação brasileira – forjada na mestiçagem entre povos índios, brancos portugueses e pretos africanos – contra o multiculturalismo:

“Em primeiro lugar temos de insistir que o imigrante que vem aqui está disposto a tornar-se um canadense e está disposto a assimilar nossas maneiras, ele deve ser tratado de formas iguais e seria vergonhoso discriminar uma pessoa por motivos de suas crenças ou lugar de nascimento ou de origem. Mas é da responsabilidade da pessoa tornar-se um canadense em todos os aspectos da vida, nada mais que um canadense. Não pode haver nenhuma lealdade dividida aqui. Qualquer homem que diz que ele é canadense, mas tenta impor seus costumes e hábitos em cima de nós, não é um canadense. Temos espaço para apenas uma bandeira, a bandeira canadense. Há espaço para apenas duas línguas, inglês e francês. E nós temos espaço para lealdade, mas apenas uma, lealdade para com o povo canadense. Não aceitaremos ninguém, digo ninguém, que vá tentar impor a sua religião ou seus costumes sobre nós”.

Ou seja, o imigrante deve se adaptar à Nação e não a Nação ao imigrante da mesma forma que a visita deve seguir as regras do anfitrião e não o contrário.

Numa Nação mestiça a regra é bem simples: “Quer se misturar com os nativos para aprender nossa cultura e se integrar completamente à Nação brasileira? Seja bem vindo. Não gosta dos brasileiros e quer se isolar para criar um território para sua cultura e sua raça contra a nossa mestiçagem? Seu país é um lugar muito bom para você voltar”.

Posted in Petismo, Português.

Tagged with .