Skip to content


Governo Dilma quer apoio da Holanda para apartheid no Brasil

O Embaixador da Holanda no Brasil, Han Peters, e diplomatas de sua equipe, encontraram-se, hoje, com o Presidente da Fundação Nacional do Índio, Flávio Chiarelli. Esta foi a primeira vez que representante daquele país visitou a Funai. Durante o encontro de cerca de uma hora, eles conversaram sobre possibilidades de cooperação em ações pela promoção dos direitos dos povos indígenas do Brasil.
O embaixador afirmou que essa aproximação pode gerar lições para a Holanda sobre políticas públicas voltadas para minorias. Ele lembrou que a Europa, em geral, enfrenta problemas de preconceito contra imigrantes e minorias étnicas. O Presidente da Funai comentou sobre a importância do apoio político de países como a Holanda para o cumprimento da missão institucional da Fundação de promover e proteger os direitos dos povos indígenas do país, que pode fortalecer, por exemplo, as políticas de etnodesenvolvimento executadas pelo órgão indigenista federal.
Por meio de diálogos que serão oportunamente agendados, esse processo terá continuidade com a identificação bilateral de oportunidades para o desenvolvimento de ações de cooperação. Também acompanharam o encontro a Chefia de Gabinete e a Assessoria Internacional da Presidência da Funai.

Governo Federal petista deseja participação da Holanda na política para os índios.

O embaixador da Holanda no Brasil, Han Peters, e diplomatas de sua equipe, encontraram-se no dia 1º de abril com o presidente da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), Flávio Chiarelli, órgão responsável por implementar a política de segregação étnica e racial indigenista do Governo Federal brasileiro, comandado pela presidente branca Dilma Rousseff (PT).

Segundo o site da Funai, esta foi a primeira vez que um representante daquela nação branca visitou a fundação. Durante o encontro de cerca de uma hora, eles conversaram sobre possibilidades de cooperação em ações pela promoção dos “direitos dos povos indígenas do Brasil”.

A Holanda colonizou países como o Suriname, a Indonésia e a África do Sul. Diferentemente de Portugal, que estimulou a mestiçagem, a Holanda estabeleceu em suas colônias diversas normas de segregação étnica e racial que, além de motivações racistas, visavam dividir as sociedades coloniais facilitando o domínio branco.

O embaixador afirmou que essa aproximação pode gerar lições para a Holanda sobre políticas públicas voltadas para minorias. Segundo ele, a Europa, em geral, enfrenta problemas de “preconceito contra imigrantes e minorias étnicas”. O presidente da Funai comentou sobre a “importância do apoio político de países como a Holanda” para o cumprimento da missão institucional da Fundação de promover e proteger os “direitos dos povos indígenas do país”, que poderia fortalecer, por exemplo, as políticas de “etnodesenvolvimento” executadas pelo órgão indigenista do Governo Federal.

Segundo a Funai, por meio de diálogos que serão oportunamente agendados, esse processo terá continuidade com a identificação bilateral de “oportunidades para o desenvolvimento de ações de cooperação”.

Posted in Português, Verwoerdismo | Indigenismo.