Skip to content


Governo do PT inicia Desmestiçagem no MA

Brasília – Sob o comando da preisidente branca Dilma Rousseff, o Exército brasileiro inicia neste início de janeiro a limpeza étnica de mestiços do bantustão federal criado para índios auás (guajás) – Awá-Guajá, na terminologia da Fundação Nacional do Índio (FUNAI).
Os auás são uma etnia que migrou do Estado do Pará para o Estado do Maranhão.
Homens das Forças Armadas foram enviados dia 3 a São João do Caru, no Maranhão, para montar a base de operação.
O território, de 116 mil hectares, compreende os municípios de Centro Novo do Maranhão, Governador Newton Bello, Zé Doca e São João do Caru.
O governo até disponibilizou um sistema de informação telefônica para o processo de limpeza étnica.
Durante a próxima semana, deverá ser iniciada a notificação dos mestiços para que saiam “voluntariamente”, dentro do prazo de 40 dias, do bantustão.
Nesse período será permitida a retirada de bens e animais da região pelos mestiços.
Após os 40 dias, caso os nativos mestiços continuem no interior da área do batustão, deverá ocorrer remoção e desconstrução de cercas, estradas ou outras benfeitorias no interior da terra.
De acordo com o Governo Federal, através da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), para o qual “todos os não índios vivem ilegalmente na área”, os mestiços não têm direito de ser indenizados.
Um comitê também será criado pela Secretaria-Geral com diversos órgãos do Governo Federal  petista para auxiliar no processo de limpeza étnica, entre eles o Ministério da Justiça, o Gabinete de Segurança Institucional, o Ministério da Defesa, a Secretaria Nacional de Direitos Humanos e o Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Nova Imagem (1)

Sob o comando da presidente branca Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), o Exército brasileiro inicia neste início de janeiro no Estado do Maranhão a limpeza étnica de mestiços do bantustão federal criado para índios auás (guajás) – Awá-Guajá, na terminologia da Fundação Nacional do Índio (FUNAI).

Os auás são uma etnia que migrou do Estado do Pará para o Estado do Maranhão. Os mestiços descendem dos índios originais do Maranhão e de outras etnias.

Homens das Forças Armadas foram enviados dia 3 a São João do Caru, no Maranhão, para montar a base de operação.

O território, de 116 mil hectares, compreende os municípios de Centro Novo do Maranhão, Governador Newton Bello, Zé Doca e São João do Caru.

O governo até disponibilizou um sistema de informação telefônica para o processo de limpeza étnica.

Durante a próxima semana, deverá ser iniciada a notificação dos mestiços para que saiam “voluntariamente”, dentro do prazo de 40 dias, do bantustão.

Nesse período será permitida a retirada de bens e animais da região pelos mestiços.

Após os 40 dias, caso os nativos mestiços continuem no interior da área do batustão, deverá ocorrer remoção e desconstrução de cercas, estradas ou outras benfeitorias no interior da terra.

De acordo com o Governo Federal, através da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), para o qual “todos os não índios vivem ilegalmente na área”, os mestiços não têm direito de ser indenizados.

Um comitê também será criado pela Secretaria-Geral com diversos órgãos do Governo Federal  petista para auxiliar no processo de limpeza étnica, entre eles o Ministério da Justiça, o Gabinete de Segurança Institucional, o Ministério da Defesa, a Secretaria Nacional de Direitos Humanos e o Ministério do Desenvolvimento Agrário.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos estabelece que “Toda pessoa tem direito de locomoção e residência dentro das fronteiras do Estado”, art. XIII, 1.

Texto reescrito com informações EBC, 03/01/2014.

Posted in Português.

Tagged with .


4 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. viviane says

    Isto é um absurdo como podem divide a nação brasileira, sendo a maioria de mesticos vou enviar esta notícia a meus amigos do face e também as comunidades que são contra a nova ordem mundial. O PT vai te o troco nesta eleições de 2014 Acordem mesticos e pardos do Brasil a revolução tem que começa este ano tirando está corja de vermelho.

  2. viviane says

    Isto é um absurdo de acontecer como pode divide a nação brasileira, a maioria do povo é mestiça, vou enviar esta notícia a meus amigos do face e também as comunidades que são contra a nova ordem mundial. O PT vai te o troco nesta eleições de 2014 Acordem mesticos e pardos do Brasil a revolução tem que começa este ano tirando está corja de vermelho.

  3. Leão says

    Prezado Sr. Paulo,

    O Nação Mestiça foi talvez a organização que mais atuou contra cotas raciais. Esteve até no STF contra elas ( http://nacaomestica.org/blog4/?p=620 ). Não há cotas raciais para mestiços, mas para negros. Cotas raciais fazem parte da política de Desmestiçagem, elas visam fazer os mestiços identificarem-se como negros ou como índios.

    Você tem razão, esta política leva a conflito racial. Ela começou a ser plantada na lei já durante a Constituinte, com a criação de bantustões índios; depois veio a ECR-3, que privilegiou descendentes de imigrantes – na prática, descendentes de imigrantes brancos; depois as cotas raciais. Deixo um artigo sobre este assunto, http://portaldozacarias.com.br/site/coluna/os-brasileiros-nao-sao-iguais-perante-a-lei/

    Ou se abolem leis que criam diferenças civis entre brasileiros por etnia, raça ou origem nacional, ou a situação infelizmente continuará a piorar.

  4. Paulo Henrique jurgensen says

    Engraçado, os mestiços podem se beneficiar com as cotas raciais, aí não falam nada. Esse imbroglio está apenas começando. Está aberta a temporada de conflitos etnicos que eu previa quando foi estabelecida cotas “raciais”.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam