Skip to content


Salve-se quem puder – Paulo Cesar Quartiero

COMENTÁRIO
“Salve-se quem puder”
Câmara dos Doei…
Deputado Paulo Cesar Quartiero – RR
Em Roraima, o Ministério da Justiça, a Fundação Nacional do índio — FUNAI e a Coordenação Regional da FUNAI de Roraima, junto corn a AGU (Advocacia-Geral da União), solicitaram — notificação extrajudicial anexa — que o Sr. Jenegildo Lima Barros, a rnãe dele, Sra. Regina Pereira Lima, e o Sr. Anildo da Silva Alrneida desocupern a área indígena Raposa Serra do Sol em, no máximo. 30 dias, acompanhados de seus pertences pessoais. bern como semoventes, como gado, cavalares, caprinos, equinos e galináceos. Então, esses senhores estão sendo intimados pela AGU e pela FUNAI, para desocuparem a área indígena Raposa Serra do Sol, só que esses senhores, aqui está a comprovação, são indios. Está aqui a certidão: Jenegildo Lima Barros, registro administrativo de nascimento de índio, é indígena. A senhora mãe dele, está aqui a certidão, também é indígena. Está aqui também a do Sr. Anildo da Silva Almeida, o registro da FUNAI, de que também é indígena. Inclusive, o Sr. Jenegildo é 2° Tuxaua, aqui está o reconhecimento da FUNAI — Tuxaua para nós, lá em Roraima, seria o correspondente a cacique noutros cantos do País. Ele é 2° Tuxaua da Comunidade Indígena Patativa, localizada no Município de Normandia, Terra Indígena Raposa Serra do Sol. terra indígena? É a de que a terra deles tem caráter Medi, Qual é a desculpa para tirar esses índios da comunidades circunvizinhas, que possuem caráter produtivo contrário ao postulado pelas dernais produtivo comunitário e não privado, corno o . praticado pelo ora noticiado. Quer dizer, expulsaram- RESMA se as pessoas por questão racial e étnica — tiraram-se os não índios —’ agora estão tirando os índios por quest • “.  RORAIMA ão ideológi.. Quem for socialista, talvez comunista, pode ‘ • ficar. e étnica — tiraram-se os não índios —, agora estão • ‘ tirando os índios por questão ideológica. Quem for socialista, talvez comunista, pode ficar. Quem aspirar a ter um patrimônio, comprar o seu gado, como esses senhores— eles tém gado. criam carneiros, galinhas e porcos; eles vivem exclusivamente do suor do seu trabalho; eles conseguiram adquirir bens, ter carro próprio, porque trabalharam; então, como eles deram certo, são índios que deram certo, que progrediram economicamente na vida —, tem que sair. Eles não podem adquirir bens; eles têm que ficar naquela vida comunitária, queS vive basicamente de cesta bási. e de auxílio do Governo. (Cont.)

Em Roraima, o Ministério da Justiça, a Fundação Nacional do índio — FUNAI e a Coordenação Regional da FUNAI de Roraima, junto com a AGU (Advocacia-Geral da União), solicitaram — notificação extrajudicial anexa — que o Sr. Jenegildo Lima Barros, a mãe dele, Sra. Regina Pereira Lima, e o Sr. Anildo da Silva Alrneida desocupem a área indígena Raposa Serra do Sol em, no máximo, 30 dias, acompanhados de seus pertences pessoais. bem como semoventes, como gado, cavalares, caprinos, equinos e galináceos. Então, esses senhores estão sendo intimados pela AGU e pela FUNAI, para desocuparem a área indígena Raposa Serra do Sol, só que esses senhores, aqui está a comprovação, são índios. Está aqui a certidão: Jenegildo Lima Barros, registro administrativo de nascimento de índio, é indígena. A senhora mãe dele, está aqui a certidão, também é indígena. Está aqui também a do Sr. Anildo da Silva Almeida, o registro da FUNAI, de que também é indígena. Inclusive, o Sr. Jenegildo é 2° Tuxaua, aqui está o reconhecimento da FUNAI — Tuxaua para nós, lá em Roraima, seria o correspondente a cacique noutros cantos do País. Ele é 2° Tuxaua da Comunidade Indígena Patativa, localizada no Município de Normandia, Terra Indígena Raposa Serra do Sol.

Qual é a desculpa para tirar esses índios da terra indígena? É a de que a terra deles tem caráter produtivo contrário ao postulado pelas demais comunidades circunvizinhas, que possuem caráter produtivo comunitário e não privado, como é praticado pelo ora noticiado. Quer dizer, expulsaram-se as pessoas por questão racial e étnica — tiraram-se os não índios —, agora estão tirando os índios por questão ideológica. Quem for socialista, talvez comunista, pode ficar.

Quem aspirar a ter um patrimônio, comprar o seu gado, como esses senhores — eles têm gado, criam carneiros, galinhas e porcos; eles vivem exclusivamente do suor do seu trabalho; eles conseguiram adquirir bens, ter carro próprio, porque trabalharam; então, como eles deram certo, são índios que deram certo, que progrediram economicamente na vida —, tem que sair. Eles não podem adquirir bens; eles têm que ficar naquela vida comunitária, que vive basicamente de cesta básica e de auxílio do Governo.

Esse senhor e sua senhora estão sofrendo ameaças e agressões. Por exemplo, aqui está uma requisição de exame de corpo delito, na Delegacia do Bonfim, da Polícia Militar. O Sr. Janegildo foi agredido por três pessoas, uma conhecida como Raimundo, próximo à comunidade de Jacarezinho — local da agressão, além de ser ameaçado de morte a mando do Sr. Alencar, coordenador do CIR. Para quem não sabe, o CIR é uma ONG, Conselho Indígena de Roraima, comandada pelo CIME e pela FUNAI. Essas pessoas estão fazendo a desintrusão dos indígenas que não querem ideologicamente ter o mesmo comportamento que eles acham adequado.

Eles cometeram um crime muito grave: eles adquiriram bens, vivem uma vida humilde, mas trabalhadora, têm seus recursos, conseguem colocar os filhos para estudarem. Eles estão sendo penalizados e expulsos por essa razão. Sua esposa, indígena também, junto com outras indígenas, foi ameaçada por Wilson Précoma, Procurador da AGU, em Roraima, que afirmou que vai retirá-los de lá, nem que seja na marra. Os indígenas do CIT também dizem que vão tirá-los na marra, inclusive ameaçando-os de morte.

Aqui o reconhecimento, a manchete, a AGU foi quem pediu a retirada da família. A Advocacia-Geral da União foi quem determinou a retirada de uma família… Uma família não. Já são mais. São duas. Estive lá neste fim de semana. Já são duas famílias. Ele diz que é o responsável e que a intervenção da FUNAI no incidente se deu por determinação expressa da sua lavra. O Procurador Wilson Précoma assume a responsabilidade de fazer limpeza não étnica, agora ideológica, na Reserva Raposa Serra do Sol.

Aqui estão todos os documentos. Vou deixa-los à disposição da Câmara. O que esse indígenas têm dito para nós? Eles estão sendo vitimas de ameaça, de roubo, de perseguição. E eles estão dizendo que a Raposa Serra do Sol se transformou em urna área em que prosperam estupro, tráfico de drogas, roubo e crimes. E isso é comprovado. Aqui, por exemplo, a Folha de Boa Vista… isso é recente, de 4 de deste mês: “Menores e indígenas disputam lixo”, e aqui, mostrando que a maioria dos que trabalham e vivem no lixão lá em Boa Vista são indígenas que saíram das áreas demarcadas, porque lá não têm condições de sobreviver, e os que conseguem ainda são perseguidos. E aqui também, na Folha de Boa Vista, que é o nosso principal jornal lá de Roraima, de 19 de outubro, dizendo: “Índios migram para centros urbanos”. E  aqui, o levantamento do IBGE… E o jornal entrevistou diversos indígenas e a resposta foi quase sempre a mesma: “Não tem mais como viver na comunidade. Não tem saúde, não tem comida, nosso povo está morrendo de fome”. Isso é de urna indígena da comunidade Beija-Flor, de Normandia, dizendo das dificuldades e por que ela está vivendo com a família, com os filhos, no lixão lá em Boa Vista.

E a gente vê as declarações da FUNAI, vê o julgamento da Raposa no Supremo: “Resgate de uma dívida histórica do Brasil com os povos oprimidos”. Uma coisa extraordinária! Na realidade, eles estão levando o índio a uma situação difícil. Não só o Estado, não só as pessoas que foram tiradas de lá, mas também, agora, especialmente nossos indígenas. E o caso fica até paradoxal.

Eu fui, naquela oportunidade.. todo mundo se lembra da questão Raposa Serra do Sol…, durante 11 anos nós lutamos contra a demarcação, contra a retirada dos não índios. Lutamos com todos os recursos que foram possíveis. Fomos vencidos à exaustão pela força. E agora esses mesmos índios, que estão lá trabalhando, estão me procurando para que eu os defenda, para que eles também não sejam expulsos.

Acho que está havendo um contrassenso e eu me preocupo demais, Sra. Presidente, porque saiu no mesmo dia em que saiu uma decisão judicial lá em Roraima, que diz: “Sentença inédita inocenta indígena que já havia sido punida pela comunidade”. O Juiz, a pedido do mesmo Procurador da “Advocacia-Geral da União, Wilson Précoma, ao Juiz da Vara Criminal da Comarca de Bonfim, Aluízio Ferreira Vieira, em abril deste ano, referente ao processo…, foi declarada a absolvição do indígena Denilson Trindade Douglas, em razão de o magistrado deixar de apreciar o mérito da denúncia, declarando a ausência do direito de punir estatal.

Quer dizer, o juiz julgou que não tinha competência para julgar o crime praticado pelo indígena. É um fato inédito no Pais — estamos inovando lá em Roraima —, porque esse indígena já tinha sido julgado pelo Conselho das Comunidades Indígenas, que havia aplicado penalidades específicas.

A Justiça hoje quem faz são as comunidades. Aí sim a gente vê as expulsões e já vê que deve ser essa a Justiça que querem implantar lá. Há a falência completa do Estado brasileiro, se nem a Justiça mais funciona.

O comentário do nosso Wilson Précoma foi:

“Representa uma conquista histórica para os povos indígenas, na qual o Estado reconhece a existência do direito pararelo, além de fazer com que os poderes constituídos respeitassem a Constituição e os tratados internacionais no que dizem respeito aos direitos constitucionais, ou seja, seus usos, costumes e tratocultural específico de cada etnia.”

Esse senhor que foi absolvido matou a facadas um irmão dele, outro indígena, e foi absolvido.

A ação do Ministério Público Federal baseia-se no direito dos povos indígenas. assegurado especialmente pelo Decreto n° 5.051, de 2004, referente à Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho sobre Povos Indígenas e Tribais, que reconhece os métodos indígenas tradicionais para repressão de delitos cometidos por índios.

Traduzindo: o Estado brasileiro abriu mão de um pedaço do Brasil. Lá os indígenas têm território próprio, lá há leis próprias, lá podem fazer o que quiserem, inclusive com apoio de setores do Governo, como, por exemplo, a FUNAI e a AGU.

Acho que nós temos que parar de brincar no Brasil de que há Justiça neste Pais. Justiça neste País não existe. Não existe Justiça neste País. Está se implantando a justiça do “salve-se quem puder”, essa vai funcionar. É cada um por si, e Deus contra todos. Parece que é a isso que quer nos levar nossa situação atual.

Paulo Cesar Quartiero é deputado federal (DEM-RR). Discurso proferido na Câmara dos Deputados em 11/11/2013.

.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Apartheid no Brasil, Artigos, Comunismo, Multiculturalismo, Português, Verwoerdismo | Indigenismo, Vídeos.

Tagged with .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam