Skip to content


Descossaquização: o extermínio do povo cossaco pelos comunistas

cossacos

Descossaquização (em russo, Расказачивание, Raskazachivaniye) foi a política comunista bolchevique de repressão sistemática contra cossacos, ocorrida entre os anos de 1917 e 1933, tendo como objetivo a eliminação dos cossacos como um grupo étnico e político.

Os principais responsáveis pelo genocídio foram Lênin, Trotsky e Stálin. Entre 300.000 e 500.000 pessoas foram mortas ou deportadas entre 1919 e 1920, de uma população de 3 milhões nas regiões do Don e Kuban, de acordo com estimativas conservadoras. Quase um terço da população cossaca foi exterminada.

“Os bolcheviques decidiram eliminar legalmente, mas também fisicamente, toda oposição ou toda resistência – e mesmo a mais passiva – ao seu poder hegemónico, não somente quando esta era formada por grupos de adversários políticos, mas também por grupos sociais propriamente ditos – tais como a nobreza, a burguesia, a intelligentsia, a Igreja, etc., e também as categorias profissionais (os oficiais, os policiais…) – conferindo, por vezes, uma dimensão de genocídio a esses atos. Desde 1920, a “descossaquização” corresponde abertamente à definição de genocídio: o conjunto de uma população com implantação territorial fortemente determinada, os cossacos, era exterminado, os homens fuzilados, as mulheres, as crianças e os idosos deportados, os povoados destruídos ou entregues a novos habitantes não cossacos. Lenin assimilava os cossacos à Vendéia, freqüência durante a revolução francesa, e desejava aplicar-lhes o tratamento que Gracchus Babeuf, o “inventor” do comunismo moderno, qualificava como “populicídio”, O Livro Negro do Comunismo, Stéphane Courtois e outros, p.10.

Posted in Comunismo, Português.

Tagged with .


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam