Skip to content


Segundo IBGE, brancos e pardos são maioria na população brasileira

A população brasileira é composta 91,2% por pessoas que se declaram brancos e pardos. É isso o que revela a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) divulgada nesta sexta-feira (27) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
Em 2012, com relação à declaração de cor ou raça, a maior parcela observada (46,2%) da população residente, 91,0 milhões de pessoas, era branca; 45,0% parda (88,6 milhões) e 7,9% preta (15,6 milhões).
O grupo formado pelas outras declarações (indígena e amarela) representou 0,8% (1,6 milhão).
Leia mais notícias no R7
A declaração de cor ou raça apresenta comportamentos regionais distintos. Por exemplo, a Região Sul era predominantemente branca (76,8%), enquanto a Norte (70,2%) e a Nordeste (62,5%) tinham maioria parda.
Em relação a 2011, houve, no Brasil, redução da participação da população branca em 1,5 ponto percentual. Por outro lado, houve aumento de 2 pontos percentuais na participação da população parda.
Para a pesquisa, o IBGE considerou cinco categorias para a pessoa se classificar quanto à característica cor ou raça: branca, preta, amarela (nesta categoria entram as pessoa que se declararam de origem japonesa, chinesa, coreana, etc.), parda (incluindo nesta categoria a pessoa que se declarou mulata, cabocla, cafuza, mameluca ou mestiça de preto com pessoa de outra cor ou raça) e indígena (considerando-se nesta categoria a pessoa que se declarou indígena ou índia).
Amostragem
O trabalho de campo foi realizado entre os dias 23 e 29 de setembro de 2012, e foram pesquisadas 362.451 pessoas e 147.203 residências distribuídas por todos os Estados.
A população residente considerada foi composta pelos moradores presentes e ausentes, ou seja, pelas pessoas que tinham a unidade domiciliar como local de residência habitual e, na data da entrevista, estavam presentes ou ausentes, temporariamente, por período não superior a 12 meses em relação àquela data.
Excluíram-se da pesquisa as pessoas residentes em embaixadas, consulados e legações e, também, as pessoas institucionalizadas residentes em domicílios coletivos de estabelecimentos institucionais, tais como: os militares em caserna ou dependências de instalações militares; os presos em penitenciárias; os internos em escolas, orfanatos, asilos, hospitais, etc.; e os religiosos em conventos, mosteiros, etc.

Juntas, as duas raças representam quase 180 milhões de pessoas ou mais de 90% do total

A população brasileira é composta 91,2% por pessoas que se declaram brancos e pardos. É isso o que revela a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) divulgada nesta sexta-feira (27) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em 2012, com relação à declaração de cor ou raça, a maior parcela observada (46,2%) da população residente, 91,0 milhões de pessoas, era branca; 45,0% parda (88,6 milhões) e 7,9% preta (15,6 milhões).

O grupo formado pelas outras declarações (indígena e amarela) representou 0,8% (1,6 milhão).

A declaração de cor ou raça apresenta comportamentos regionais distintos. Por exemplo, a Região Sul era predominantemente branca (76,8%), enquanto a Norte (70,2%) e a Nordeste (62,5%) tinham maioria parda.

Em relação a 2011, houve, no Brasil, redução da participação da população branca em 1,5 ponto percentual. Por outro lado, houve aumento de 2 pontos percentuais na participação da população parda.

Para a pesquisa, o IBGE considerou cinco categorias para a pessoa se classificar quanto à característica cor ou raça: branca, preta, amarela (nesta categoria entram as pessoa que se declararam de origem japonesa, chinesa, coreana, etc.), parda (incluindo nesta categoria a pessoa que se declarou mulata, cabocla, cafuza, mameluca ou mestiça de preto com pessoa de outra cor ou raça) e indígena (considerando-se nesta categoria a pessoa que se declarou indígena ou índia).

Amostragem

O trabalho de campo foi realizado entre os dias 23 e 29 de setembro de 2012, e foram pesquisadas 362.451 pessoas e 147.203 residências distribuídas por todos os Estados.

A população residente considerada foi composta pelos moradores presentes e ausentes, ou seja, pelas pessoas que tinham a unidade domiciliar como local de residência habitual e, na data da entrevista, estavam presentes ou ausentes, temporariamente, por período não superior a 12 meses em relação àquela data.

Excluíram-se da pesquisa as pessoas residentes em embaixadas, consulados e legações e, também, as pessoas institucionalizadas residentes em domicílios coletivos de estabelecimentos institucionais, tais como: os militares em caserna ou dependências de instalações militares; os presos em penitenciárias; os internos em escolas, orfanatos, asilos, hospitais, etc.; e os religiosos em conventos, mosteiros, etc.

De R7, 27/09/2013.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam