Skip to content


Afrodescendente de pele branca é aprovado por cotas raciais no Itamaraty e gera reação no governo petista

Para aumentar a população negra, afrodescendente é considerado como sinônimo de negros. Quando um afrodescendente miscigenado, porém, busca um benefício, ele é discriminado.
O Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, informou nesta quarta-feira (11) à Agência Brasil que analisa o caso do estudante Mathias de Souza Lima Abramovic, que passou na primeira fase do processo seletivo do Instituto Rio Branco, que forma diplomatas. Abramovic se autodeclarou afrodescendente e foi selecionado na cota destinada ao grupo. Porém,  a seleção do estudante na cota é alvo de questionamentos no Itamaraty.
Abramovic aparentemente não tem características afrodescendentes: é aloirado com olhos claros. O Itamaraty informou que a definição de afrodescendente não é técnica e baseia-se exclusivamente na declaração do estudante. O edital do processo seletivo também não discrimina os critérios para concorrer como afrodescendente. A cota racial é válida apenas na primeira etapa do concurso, que seleciona os 100 candidatos com maiores notas.
Na primeira fase, as cotas reservam um adicional de dez vagas para afrodescendentes e duas para deficientes, totalizando 112 candidatos que continuarão na disputa. Ao final, apenas 30 ficarão até a última etapa do concurso. O Itamaraty informou que é a primeira vez que ocorre um caso como de Abramovic.
O edital especifica que os candidatos afrodescendentes devem autodeclarar a opção no ato da inscrição. Para as pessoas com deficiência, as reservas de vagas vão até a última etapa (são quatro no total) e os candidatos aprovados passam por perícia médica.
Itamarty decide manter candidato
O Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, informou hoje (11) que manterá inalterada a situação do estudante Mathias de Souza Lima Abramovic, que passou na primeira fase do processo seletivo do Instituto Rio Branco, que forma futuros diplomatas. Abramovic se autodeclarou afrodescendente e foi selecionado na cota destinada ao grupo. O caso foi analisado pela manhã e à tarde houve a resposta oficial do instituto. Na prática, o candidato segue para a segunda etapa do concurso. No total, são quatro fases.
A inclusão de Abramovic na cota foi questionada porque ele aparentemente não tem características afrodescendentes: é aloirado com olhos claros. O Itamaraty informou que é o próprio candidato ao Instituto Rio Branco que se declara afrodescendente e não há uma avaliação técnica nem banca para examinar a veracidade da declaração do estudante. É respeitado o que é declarado no ato da inscrição.
No momento da inscrição para a seleção do Rio Branco, o candidato se declara “afrodescendente”.  O edital do processo seletivo
também não especifica os critérios para concorrer como afrodescendente. A cota é válida apenas para a primeira etapa do concurso, no qual só são classificados para a segunda etapa os 100 candidatos com maiores notas.
Na primeira fase, as cotas reservam um adicional de dez vagas para afrodescendentes e duas para deficientes, totalizando 112 vagas. Ao final, apenas 30 candidatos ficarão até a última etapa do concurso. O Itamaraty informou que é a primeira vez que ocorre um caso com o de Abramovic.
O edital é claro ao afirmar que “os candidatos afrodescendentes deverão declarar, no ato da inscrição”.  Para as pessoas com deficiência, as reservas de vagas vão até a última etapa (são quatro no total), diferentemente dos afrodescendentes, cuja cota só existe na primeira fase. No caso das pessoas com deficiência, o edital prevê perícia médica para comprovação.

Para aumentar a população negra, afrodescendente é considerado como sinônimo de negro. Quando um afrodescendente de cor parda ou branca, porém, busca um benefício, ele fica exposto a discriminação.

O Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, informou nesta quarta-feira (11) à Agência Brasil que analisa o caso do estudante Mathias de Souza Lima Abramovic, que passou na primeira fase do processo seletivo do Instituto Rio Branco, que forma diplomatas. Abramovic se autodeclarou afrodescendente e foi selecionado na cota destinada ao grupo. Porém,  a seleção do estudante na cota é alvo de questionamentos no Itamaraty.

Abramovic aparentemente não tem características afrodescendentes: é aloirado com olhos claros. O Itamaraty informou que a definição de afrodescendente não é técnica e baseia-se exclusivamente na declaração do estudante. O edital do processo seletivo também não discrimina os critérios para concorrer como afrodescendente. A cota racial é válida apenas na primeira etapa do concurso, que seleciona os 100 candidatos com maiores notas.

Na primeira fase, as cotas reservam um adicional de dez vagas para afrodescendentes e duas para deficientes, totalizando 112 candidatos que continuarão na disputa. Ao final, apenas 30 ficarão até a última etapa do concurso. O Itamaraty informou que é a primeira vez que ocorre um caso como de Abramovic.

O edital especifica que os candidatos afrodescendentes devem autodeclarar a opção no ato da inscrição. Para as pessoas com deficiência, as reservas de vagas vão até a última etapa (são quatro no total) e os candidatos aprovados passam por perícia médica.

Itamarty decide manter candidato

O Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, informou no dia 11 que manterá inalterada a situação do estudante Mathias de Souza Lima Abramovic, que passou na primeira fase do processo seletivo do Instituto Rio Branco, que forma futuros diplomatas. Abramovic se autodeclarou afrodescendente e foi selecionado na cota destinada ao grupo. O caso foi analisado pela manhã e à tarde houve a resposta oficial do instituto. Na prática, o candidato segue para a segunda etapa do concurso. No total, são quatro fases.

A inclusão de Abramovic na cota foi questionada porque ele aparentemente não tem características afrodescendentes: é aloirado com olhos claros. O Itamaraty informou que é o próprio candidato ao Instituto Rio Branco que se declara afrodescendente e não há uma avaliação técnica nem banca para examinar a veracidade da declaração do estudante. É respeitado o que é declarado no ato da inscrição.

No momento da inscrição para a seleção do Rio Branco, o candidato se declara “afrodescendente”.  O edital do processo seletivo

também não especifica os critérios para concorrer como afrodescendente. A cota é válida apenas para a primeira etapa do concurso, no qual só são classificados para a segunda etapa os 100 candidatos com maiores notas.

Na primeira fase, as cotas reservam um adicional de dez vagas para afrodescendentes e duas para deficientes, totalizando 112 vagas. Ao final, apenas 30 candidatos ficarão até a última etapa do concurso. O Itamaraty informou que é a primeira vez que ocorre um caso com o de Abramovic.

O edital é claro ao afirmar que “os candidatos afrodescendentes deverão declarar, no ato da inscrição”.  Para as pessoas com deficiência, as reservas de vagas vão até a última etapa (são quatro no total), diferentemente dos afrodescendentes, cuja cota só existe na primeira fase. No caso das pessoas com deficiência, o edital prevê perícia médica para comprovação.

Com textos de Bahia Notícias e de BOL, de 11/09/2013.

Posted in Português.


One Response

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Emanuel says

    Por este critério que o pessoal usa para ser identificado como negro até os netos do FHC teria direito á essas cotas né?



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam