Skip to content


Brancos temem onda de violência depois que Mandela morrer

Acompanhada de dois filhos adolescentes, a enfermeira Jeanie Pretorius acompanhava a vigília em frente ao hospital onde está internado o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, em Pretória, com ar preocupado.

“Todo mundo está um pouco assustado com o futuro deste país. Há muita gente por aí fazendo o discurso do ódio contra nós”, diz Pretorius, parte da minoria branca que perfaz 10% da população e um dia governou o país à frente do regime do apartheid (segregação racial).

Como a maioria dos brancos de hoje, ela é admiradora de Mandela, a quem credita por uma transição política pacífica e sem vingança quando chegou ao poder, em 1994. Daí vem o medo de que, quando o ex-presidente se for, o caminho esteja aberto para uma onda de violência.

“Temos recebido muitos telefonemas preocupados. Fala-se de uma ‘noite dos longos punhais’, de um ‘genocídio branco'”, diz Ernst Roets, vice-diretor do Afriforum, ONG que defende direitos dos brancos (a maioria descendentes de holandeses).

A resposta de Roets aos telefonemas aflitos é padrão: na África do Sul de hoje, não há espaço para onda de violência racial, embora ameaças em redes sociais sejam levadas a sério pela organização. “Mas me preocupa o longo prazo. Quanto mais distantes ficamos da era Mandela, mais agressivo fica o discurso do governo contra os brancos”, declara Roets.

Pieter Groenewald, presidente da Frente da Liberdade, partido nanico que representa brancos, diz que o medo é causado pela desinformação. “As pessoas acham que Mandela ainda influencia as decisões do governo e que, quando ele morrer, isso acabará e haverá violência. Não sabem que há pelo menos dez anos ele não participa do dia a dia da política.”

Por mais improvável que um cenário de violência se materialize, a preocupação revela como ainda é imperfeita a harmonia racial no país. O clima de incerteza já se alastrou o suficiente para o governo se pronunciar oficialmente sobre o tema.

“Nós nos reconciliamos com os brancos e estamos construindo a nação. É um processo que começou com Mandela e vai continuar”, declarou Jackson Mthembu, porta-voz do CNA (partido do governo).

Há também o temor de que, sem Mandela, elementos mais à esquerda no governo ganhem espaço e forcem políticas intervencionistas e a estatização do setor minerador, o ganha-pão da economia. A equipe econômica veio a público para negar essa possibilidade, antes que investidores se assustassem.

De Folha de São Paulo, 27/06/2013.

Os vídeos e os textos postados assinados por seus autores e os noticiosos e de outros sites lincados são de inteira responsabilidade dos mesmos não representando no todo ou em parte posicionamentos do Nação Mestiça. É autorizada a reprodução e publicação de textos deste site desde que citada a fonte. Mestiçofobia é racismo / Mestizofobia es racismo. Divulgue este site.

Posted in Português.

Tagged with .


One Response

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Gabriel says

    O preto sempre tem que ser bonzinho. É impressionante.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Comments Protected by WP-SpamShield Anti-Spam