Skip to content


Capitão do mato

‘Capitão do mato’, pintura de 1823 do artista alemão Johann Moritz Rugendas.

Capitão do mato era a expressão usada no Brasil para a função de captura de escravos fugidos. Incluía nesta atividade a destruição de quilombos. Com o crescimento do tráfico de escravos africanos, com culturas que incluíam conhecimento de técnicas de captura de escravos, a atividade também se ampliou, especialmente a partir do séc. XVII.

Em sua maioria eram homens livres e pobres, incluindo brancos, mas também pretos e miscigenados, muitos deles ex-escravos. A atividade não era regular, mas espalhou-se em todas as áreas de economia escravista.

Havia os que eram autônomos e os que eram funcionários públicos, estes nomeados através de carta de recomendação e que estavam sob regras e limites de autoridades. Recebiam dinheiro, armamentos e homens sob seu comando, especialmente em ações maiores, como o enfrentamento de quilombolas.

Os próprios capitães do mato, porém, eram objeto de desconfiança das autoridades, temerosas de que pudessem voltar-se contra elas, de modo que estas evitavam que exercessem a função por períodos prolongados.

Nos EUA, atividade correspondente era exercida pelas slave patrols, ou patrollers, formadas por brancos.

O termo é usado atualmente também para referir-se a negros e miscigenados acusados de servirem à supremacia branca.

Posted in História, Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Anti-Spam by WP-SpamShield