Skip to content


Mudança de comportamento é a melhor arma contra o HIV/AIDS – Nelson Musoba

“Ela está se preservando para o casamento… E você?”, diz a mensagem deste outdoor em Uganda.

No final da década de 1980 e início da década de 1990, Uganda ofereceu as primeiras abordagens para combater a epidemia de HIV/AIDS. Com a estratégia ABC de Abstinência, Ser Fiel [Being Faithful] e uso de Camisinha, Uganda obteve um grande sucesso e a prevalência de HIV/AIDS reduziu de 18% no início da década de 1990 para 6.4% em 2005. Outros países vieram para o Uganda aprender com o tremendo sucesso de Uganda contra o flagelo.

A história de sucesso de Uganda em relação ao HIV/AIDS foi liderada diretamente pelo presidente Yoweri Museveni, que liderou as campanhas nacionais de HIV, educando os ugandenses sobre mudanças comportamentais, como a maneira mais importante de combater a epidemia. A abordagem de comunicação era na forma do som de um tambor. Em muitas de nossas culturas, o tambor é usado para alertar e mobilizar as pessoas contra o perigo. Naquela época, as mensagens que vieram pela mídia mostraram a profundidade do problema. As pessoas entenderam porque as mensagens apelaram diretamente para elas, fazendo com que elas mudassem seus estilos de vida.

No início, Uganda tornou-se um ponto de referência global na luta contra o HIV/AIDS; uma história de sucesso, um modelo e um líder.

Mais tarde, infelizmente, as mensagens com comunicação direta às pessoas desapareceram lentamente, dando lugar a mensagens não comprometidas, não diretas e pouco claras. O que é comunicado hoje muda durante a noite, o que está em outdoors é diferente do que está na TV, diferente do que é mencionado no rádio ou o que está nos jornais, o que é pregado na igreja ou o que as crianças são informadas. Não é de admirar que apenas 36% dos jovens tenham conhecimento abrangente do HIV de acordo com o Uganda Population Demographic Survey (2016).

Cerca de 1.300.000 milhões de pessoas vivem com HIV e há 52.000 novas infecções a cada ano. Entre as jovens mulheres e meninas entre 15-24 anos, no final de 2015, as novas infecções ficaram em 18.894, traduzindo para 363 novas infecções por semana. Para jovens homens e meninos entre 15-24 anos, novas infecções foram de 10.615, traduzindo para 204 novas infecções por semana. Isso significa que 567 jovens contraem HIV por semana. Cerca de 28 mil pessoas morreram de condições relacionadas à AIDS e, dentre elas, 60% são homens.

Alguns dos que são positivos têm medo de falar sobre seu status devido a altos níveis de estigma e muitos vêem isso como um escândalo quando acontece. Não podemos ter sucesso na luta contra o HIV/AIDS, a menos que rompamos o silêncio e o estigma que cercam a doença. É importante aceitar que a AIDS não é um problema individual; isso afeta todos nós. As pessoas que vivem com AIDS não são diferentes das pessoas com qualquer outra doença.

Para evitar a propagação do HIV, o público em geral precisa ser educado sobre como prevenir a infecção e mudar suas atitudes sociais. Isso significa líderes; os pais e todas as pessoas precisam se envolver em campanhas maciças contra a epidemia.

Os líderes devem procurar e fornecer informações precisas sobre como prevenir a AIDS; mobilizar as comunidades para que adotem estratégias de redução de riscos; incentivar as pessoas a fazer o teste do HIV e manter as medidas de prevenção se forem negativas ou buscar tratamento se positivas. Além disso, eles devem motivar e criar um ambiente propício para que os jovens permaneçam na escola e desencorajem práticas culturais de risco que expõem as pessoas à infecção pelo HIV.

Os pais devem estar abertos e falar com as crianças sobre os perigos da AIDS. Além disso, eles devem dar um exemplo para que as crianças imitem e discutam áreas que expõem as crianças à AIDS, além dos perigos que se seguem aos estilos de vida arriscados. Conseguimos muito na prevenção da transmissão materno-infantil do HIV, mas de que serve deixar as crianças preparadas para as perder na época da adolescência?

Devemos saber que a defesa da estratégia ABC ainda funciona. Essas estratégias de prevenção primária continuam a fornecer valor na resposta nacional ao HIV/AIDS e precisam ser revitalizadas. O canal mais predominante através do qual o HIV é transmitido é através de relações sexuais desprotegidas com um parceiro infectado. É importante encorajar os jovens a adiar o engajamento na relação sexual até estarem prontos para um relacionamento vitalício e as conseqüências que acompanham os compromissos sexuais. Da mesma forma, os parceiros casados ​​devem ser fiéis um ao outro. Nos casos em que o método AB falha, aplica-se a opção Camisinha.

Em uma mudança para preencher as lacunas de mensagens pouco claras e inconsistentes, a Comissão de AIDS de Uganda criou um Comitê de Clareza e Harmonização de Mensagens para analisar minuciosamente as mensagens antes de serem divulgadas. Isso visa a garantir que as mensagens sejam claras, factuais e consistentes. Isso melhorou a situação.

Um chamado a todos é que qualquer pessoa envolvida na fabricação ou na distribuição de mensagens sobre HIV / AIDS deve garantir que as mensagens sejam claras, factuais e consistentes. Isso inclui obtê-las apuradas pela Uganda AIDS Commission. A luta contra o HIV/AIDS não é nova; foi anteriormente travada e alcançou sucesso com comunicação maciça e eficaz.

Dr. Nelson Musoba – Acting Director General

Título original: Behavioural Change Best Weapon Against HIV/AIDS.

Published in the New Vision 17-Jan-2018.

Traduzido de Uganda AIDS Comission.

Posted in Português.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Anti-Spam by WP-SpamShield