Skip to content


Parlamento Europeu pressiona por segregação racial no Brasil

Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu.

Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu.

Resolução do Parlamento Europeu quer a criação de um bantustão índio no Estado de Mato Grosso do Sul e expulsão da população mestiça. Brancos comunistas e neoliberais institucionalizaram o apartheid indigenista no Brasil para combater a mestiçagem e promover a globalização.

O Parlamento Europeu (PE), presidido pelo social-democrata alemão Martin Schulz, aprovou uma resolução pressionando as autoridades brasileiras para que criem um bantustão (território racial e étnico exclusivo) para índios no Estado de Mato Grosso do Sul.

Introduzida na Constituição brasileira por pressão de brancos indigenistas, comunistas e neoliberais (muitos deles antropólogos imigrantes ou descendentes de imigrantes europeus), os bantustões têm a finalidade de impedir a miscigenação racial entre índios e não índios. O indigenistas são multiculturalistas, havendo manifestações de ódio à mestiçagem.

Embora nativos e descendentes dos índios originais, o povo mestiço também é expulso dos bantustões pois o milionário lobby branco indigenista é contrário ao reconhecimento de seu direito originário aos territórios onde no passado habitavam seus ancestrais índios. Na resolução – aprovada no contexto dos debates sobre direitos humanos realizados às quintas-feiras – é destacado que a Constituição brasileira reconhece o direito original dos povos índios aos seus territórios ancestrais.

Para não serem expulsos e caírem na miséria, atraídos por promessas econômicas, pressionados por organizações indigenistas e intimidados pela implacável estrutura estatal implantada pelo poderoso lobby dos brancos indigenistas, muitos mestiços optam por identificar-se como índios.

“É dever do Estado regulamentar e proteger esse direito”, salienta a resolução do PE, defendendo medidas para reprimir reações à expansão dos bantustões.

No que respeita à posse de terras, o PE pediu a Brasília que desenvolva um plano de trabalho visando dar prioridade à conclusão da demarcação de todos os bantustões reivindicados pelos indigenistas.

O PE foi mais longe e pisando na soberania brasileira expressou sua “preocupação” em relação a uma proposta de alteração da Constituição à qual os brancos indigenistas no Brasil se opõem ferozmente.

Esta semana, supremacistas indigenistas manifestaram-se em Brasília para protestar contra algumas medidas estudadas pelo Governo do Presidente, Michel Temer. Na quinta-feira, alguns tentaram entrar à força num anexo da Câmara dos Deputados, mas foram impedidos pela polícia.

Entre as reivindicações dos indigenistas estão orçamentos maiores para os bantustões e que sejam aceleradas as expulsões dos mestiços, brancos e outros não-índios.

Posted in Apartheid no Brasil, Comunismo, Mestiçofobia | Desmestiçagem, Multiculturalismo, Português, Verwoerdismo | Indigenismo.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Anti-Spam by WP-SpamShield