Skip to content


Brancos indigenistas: Deputados do MS pedem interferência estrangeira em conflito racial brasileiro

Os membros da União Europeia estão na Assembleia para observar a CPI do CIMI. Foto: Roberto Higa/ALMS.

O site da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul noticiou que deputados deste parlamento pediram a interferência da União Europeia para “sensibilizar” o Governo Federal a fim de que este forneça recursos para a compra de terras para a criação de bantustões indigenistas no Estado. Diplomata afirmou que a União Européia financia o CIMI, organização indigenista da Igreja Católica. Com a criação dos bantustões, o Povo Mestiço sofre imediata limpeza étnica. Abaixo, o texto da matéria publicada no site da ALMS.

Deputados pedem ajuda da União Europeia para solucionar conflito fundiário

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Por: Heloíse Gimenes         Foto: Roberto Higa

Com o objetivo de observar o andamento da CPI da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a atuação do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), membros da União Europeia (UE) estão na Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (20/4). Pela manhã, eles estiveram reunidos com o presidente Junior Mochi (PMDB), o 1º secretário Zé Teixeira (DEM) e o deputado Pedro Kemp (PT). Os parlamentares aproveitaram a visita e solicitaram o apoio da organização no sentido de sensibilizar o Governo Federal para dispor de recursos para adquirir as áreas em conflito.

A UE é constituída por 28 países europeus (Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Romênia e Suécia). Estão presentes na Casa de Leis os diplomatas Erik Von Pistohlkors, Katarzyna Anna Braiter, BartVan Zwieteen e Nadia Benini.

“A União Europeia intervém em vários domínios, entre eles os direitos humanos. Mantemos nossa participação nas discussões e apoiamos os povos indígenas. No Brasil, ajudamos o Cimi, por meio de envio de recursos financeiros. Não temos dúvidas da lisura do Conselho Indigenista e estamos aqui como observadores”, explicou Erik Von, da seção Política, Econômica e Comunicação.

Mochi, Kemp e Zé Teixeira fizeram um relato do conflito em Mato Grosso do Sul. “É uma satisfação recebermos os representantes da União Europeia para discutir direitos humanos. A organização possui um fundo e apóia financeiramente algumas Organizações Não Governamentais, como o Cimi. Por conta disso, vieram conhecer especificamente a problemática relacionada ao conflito fundiário existente entre indígenas e produtores rurais. Hoje, eles acompanharão a CPI do Cimi para fazer um diagnóstico situacional. Embora haja divergência de pensamento, os deputados são convergentes quando se trata da solução. Por isso, solicitamos ajuda para sensibilizar o Governo Federal, que possui os recursos orçamentários para adquirir, dentro do preço de mercado, as áreas legitimamente ocupadas pelos seus proprietários. Esse é o senso comum. Na medida em que se resolve o problema macro, todos os outros acabam sendo automaticamente resolvidos”, explicou Mochi.

Fonte: ALEMS

Posted in Verwoerdismo | Indigenismo.


0 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Anti-Spam by WP-SpamShield