Skip to content


Cotas: deputado negro defende exclusão de mestiços de aparência branca

O deputado federal Edson Santos (PT-RJ).

Mais um fato ilustra a necessidade de separar as cotas dos mestiços (pardos) das cotas dos “negros” (pretos). O deputado federal Edson Santos (PT-RJ) declarou, segundo o jornal O Globo de ontem (13), considerar ridículo um afrodescendente fazer referência a seus ancestrais pretos da “época do descobrimento”.

Segundo o jornal, o deputado, que  foi ministro da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) no governo Lula, declarou que,

“A autodeclaração é uma conquista do Movimento Negro. Agora, também temos que ter o senso de ridículo da história de ter que buscar um parente negro em 1500, na época do descobrimento. A aparência e a cor da pele é que devem prevalece”.

O deputado federal Edson Santos (PT-RJ) afirmou que pedirá esclarecimentos formais ao Ministério das Relações Exteriores sobre o caso do candidato de pele branca e olhos verdes aprovado por cotas raciais na primeira fase do concurso para o Instituto Rio Branco, revelado pelo GLOBO nesta semana. Ex-ministro da Igualdade Racial do governo Lula, Santos quer que o Itamaraty cobre a comprovação de que Mathias de Souza Lima Abramovic é de fato afrodescendente a partir de seu histórico familiar. Caso seja detectada a falsidade na autodeclaração, o deputado disse que cobrará da pasta o indeferimento da candidatura, já que o Itamaraty informou que manteria a aprovação.
— O Itamaraty tem que cobrar a comprovação de afrodescendência dele.

Segundo o jornal, o deputado federal Edson Santos afirmou que pedirá esclarecimentos formais ao Ministério das Relações Exteriores sobre o caso do candidato de pele branca e olhos verdes aprovado por cotas raciais na primeira fase do concurso para o Instituto Rio Branco, revelado pelo jornal O Globo nesta semana.

Edson Santos quer que o Itamaraty cobre a comprovação de que Mathias de Souza Lima Abramovic é de fato afrodescendente a partir de seu histórico familiar. Caso seja detectada a falsidade na autodeclaração, o deputado disse que cobrará da pasta o indeferimento da candidatura, já que o Itamaraty informou que manteria a aprovação.

— O Itamaraty tem que cobrar a comprovação de afrodescendência dele – exige o deputado petista.

Os primeiros navios negreiros trazendo pretos africanos chegaram ao Brasil por volta de 1549, em Salvador, atual capital da Bahia.

Posted in Cotas, Português.


9 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Jean Machado says

    Pode ser que eu esteja errado, mas creio que todos os indivíduos da espécie Homo Sapiens são afrodescendentes… 😛

  2. Cláudio Roberto says

    Não esqueçam dessas pessoas na hora de não votar neles. PT? Que PT? Partido do Tributo? Em 2014 votem nulo ou em branco, nessa hora votar em “branco” não é preconceito e sim não escolher ninguém no meio de tantos que já candidataram tanto que até as pessoas esquecem. Vocês acham mesmo que quem candidata tanto está interessado nos problemas do povo? Duvido. Não acredito em Papai Noel.

  3. Timo says

    Merda de arquitetura social só poderia dar mesmo nisso: MERDA DE RESULTADOS. Essa é a grande falácia dessa história de cotas, mais uma importação de ideias que receberam a devida deformação por parte dos nossos pensadores. Um país (governo) que só sabe olhar para o passado não tem futuro.

  4. Luis Gustavo Esse says

    O sistema de cotas seria coerente, se realmente de fato, vivessemos em um país aonde isto fosse necessário apra trazer uma paz social, como ocorre em alguns países tipo o Líbano, o Kosovo, a Bósnia-Herzegovina e etc., aonde não houve significativos graus de mestiçagem e há divergências entre os povos que compartilham o mesmo território, logo, nestes casos, o Sistema de Cotas trouxe uma paz social. Mas certamente este não é o caso brasileiro, pois já havia uma convivência mais “pacífica” entre negros e brancos, do que a percebida nos Estados Unidos, a prova disto está na mestiçagem que encontramos por aqui e não vemos por lá e nenhum dos demais países que citei. Nosso sistema de cotas não tem sido eficiente e, não sei se virá a ser um dia, pois, muito embora a autodeterminação tenha sido uma conquista do movimento negro, a palavra autodeterminar mesma fala por si só: “dizer como você acha que você é”. Não é a primeira vez que esta questão de cotas tem causado problemas no Brasil, me lembro bem, há um tempo atrás, um candidato aprovado no concurso público da Sanepar, filho de mãe negra, mas possuia pele branca, não foi admitido pela empresa, por ter concorrido ao concurso público fazendo uso de quotas, mas o TRT-PR havia autorizado que ele assumisse o caro, partindo desta premissa de que autodeterminação, é dizer como se acha, e não ter uma aparência típica a determinado grupo e etc. como o deputado prega. A ideia do deputado põe em xeque a própria conquista que ele ostenta… Não sei se o jovem aprovado no Itamaraty tenha algum ancestral negro próximo, mas, como no meu caso, me declaro branco, pois possuo pele branca, mas possuo um traço de anemia hereditária que somente descendentes de negros da África Ocidental a possuem, meu avô era filho de negro com índia, meu bisavô era negro, ou seja, para todos os fins, sou um “afro-descendente”, embora, por movitos da crítica social, não posso assim me declarar, pois não apresento muitos traços desta ascendência, muito embora alguns sejam perceptíveis. Só sei de uma coisa, o sistema de cotas adotado no Brasil é deficiente, pois ele num consegue nem delimitar ao certo, a quem as quotas deverá beneficiar, quem dirá que irá solucionar injustiças históricas sociais? Sou contra o sistema de quotas, por perceber que no Brasil ele, além de atentar com a raiz mestiça de nosso povo, que é até motivo de admiração a nível global, que comprova como vários povos diversos conseguem viver em harmonia por aqui, mas também sou conra a este sistema, porque ele é deficiente, ele não consegue cumprir com o que promete, na verdade tem feito exatamente o contrário…

  5. Jânio says

    Os movimentos negros têm que decidir: se mestiço afrodescendente é negro, então tem direito a cotas; se não, então mestiço não é negro.

  6. Gabriel says

    Mas a maioria dos mestiços de aparência branca nem mestiços se declaram. No Brasil, mestiço de aparência branca como o Abramovic, isso se ele for mestiço mesmo, não são discriminados, pelo contrário, são beneficiados pelo racismo. Minha namorada é tão preta quanto Edson Santos, se auto-declara preta apesar de ser miscigenada e sofre racismo por não aparentar ser pelo menos mestiça. Nem eu que não são tão escuro, me auto-declaro preto, sofro racismo, que dirá os pretos retintos! Me dá nojo desses racistas brasileiros. Odeiam pretos e mestiços mas se for para benefício próprio ao mesmo tempo em que prejudicam as outras raças, não pensam duas vezes em se auto-declararem serem aqueles que são objeto de seu desprezo.

  7. viviane silva says

    Nossa que absurdo, a que ponto chegou, ele se parece com os intelectuais racistas negros dos Estados Unidos, antes eu era favor destas cotas mas depois que encontrei este site, mudei totalmente minha forma de pensar sobre as cotas, mas também pesquisei na internet esta politica, p/ mim as cotas são também uma forma de segregar as pessoas, como fica a situação dos que são pardos e mestiços nesta nação.

  8. Maria Osmar says

    e agora? vamos ter que adotar uma régua de tons pra saber quem pode quem não pode?
    sério mesmo, nunca vi algo tão racista na minha vida…
    Lamento

  9. Pedron Ernesto Coutinho de Castro says

    Deus criou o homem e a mulher… O ser humano, querendo levar vantagem um tudo, ou seja, vencer sem esfôrço, usa de todos os artifícios possíveis para camuflar sua preguiça e incapacidade de lutar de igual para igual. Não existem cores, existem seres aparentemente humanos.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.

Anti-Spam by WP-SpamShield